Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Jornal Folha Sertaneja Online
Professor Nery

A morte de Adailton da Rua das Flores – mais um amigo ceifado em plena pandemia

Publicada em 06/06/21 às 23:59h - 430 visualizações

por Francisco Nery Júnior


Compartilhe
Compartilhar a notícia A morte de Adailton da Rua das Flores – mais um amigo ceifado em plena pandemia    Compartilhar a notícia A morte de Adailton da Rua das Flores – mais um amigo ceifado em plena pandemia    Compartilhar a notícia A morte de Adailton da Rua das Flores – mais um amigo ceifado em plena pandemia

Link da Notícia:

A morte de Adailton da Rua das Flores – mais um amigo ceifado em plena pandemia
 (Foto: Divulgação)

Ele foi aluno do sistema Chesf. Dos bons. Das centenas dos bons. Foi um amigo fundamental desde aluno; amigo das horas incertas. Perdeu a voz, mas não a consideração pelos amigos. E parece que, sem a voz, devido à sua sinceridade, motivado pela sua lealdade, se comunicava melhor.  


Uma vez, resolveu chamar a minha atenção. Eu falava baixo no microfone da rádio no antigo Ronda 950. Eu era colaborador de Ozildo Alves, maior comunicador de Paulo Afonso e região. Carecia falar alto, capacidade que ia lhe faltando. O que lhe faltava, queria ver bem feito pelos amigos em quem confiava.  


Ouvi o testemunho favorável do seu caráter de uma jovem vendedora de uma das nossas lojas. Frequentava a loja - devia comprar não sei se muito ou pouco - e levava lanche para o pessoal. Sem interesse subalterno, quero crer; sem interesse, digamos, legítimo e emocional.  


Há amigos das horas incertas. Às vezes, só mais tarde vamos perceber. Nicodemos se retirou triste e José de Arimateia continuou rico e abastado. Foram, porém, os que se arriscaram face ao poderio romano para propiciar um sepultamento digno para o Cristo. Tomé leva o pejo da descrença devido à nossa falta de atenção. Não foi apenas ele. Todos os discípulos descriam. Pedro acocorou-se amedrontado perante a serva do chefe dos fariseus. Negou feiamente a Jesus. Por três vezes o negou.  


Os onze discípulos estavam trancados com medo dos judeus. Numa segunda vez, Tomé estava com eles. Desta vez, Jesus ressuscitado novamente apareceu. E Tomé, sim, após meter-lhe o dedo na ferida ao lado, instantaneamente foi o primeiro a bradar “Senhor meu e Deus meu!”  


Então perdemos Adailton. Não deu gosto ao terrível Covid-19 levá-lo. Venceu se levarmos em consideração a ressurreição, garantia da derrota da morte.   A nossa esperança e fé é, em breve, estarmos perdendo todos os vírus da Covid-19 vencidos pela Ciência e pela misericórdia de Deus para nós outros.  

Francisco Nery Júnior    




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

1 comentário


F. Nery Jr.

07/06/2021 - 11:34:55

Grafamos Adailton como o chamava o pessoal da loja. O nome de batismo é, porém, Aduilson. Desculpem-nos a falha.n4j67s


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12