Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Jornal Folha Sertaneja Online
Professor Nery

Declaração de amor a Paulo Afonso

Publicada em - 1348 visualizações

por Francisco Nery Júnior


Compartilhe
Compartilhar a notícia Declaração de amor a Paulo Afonso   Compartilhar a notícia Declaração de amor a Paulo Afonso   Compartilhar a notícia Declaração de amor a Paulo Afonso

Link da Notícia:


Fora de tempo, mas uma declaração. Quase logo após a Forquilha, aqui chegamos. E a cidade nos acolheu. Cresceu e floresceu. E novos membros a cada dia a nós se juntam fortalecendo o clã. 


Em tempo de pandemia, quando o ex-presidente acusa o atual de receitar cloroquina e este o acusa de receitar “51”, restam[-nos] as coisas do coração. 

E encontramos Otávio de Souza e Pixinguinha que, em “Rosa”, dizem o que nós outros gostaríamos de dizer:   


Tu és divina e graciosa
Estátua majestosa do amor
Por Deus esculturada
E formada com ardor
Da alma da mais linda flor
De mais ativo olor
Que na vida é preferida pelo beija-flor
Se Deus me fora tão clemente
Aqui nesse ambiente de luz
Formada numa tela deslumbrante e bela
Teu coração junto ao meu lanceado
Pregado e crucificado sobre a rósea cruz
Do arfante peito teu 

Tu és a forma ideal
Estátua magistral. Oh, alma perenal
Do meu primeiro amor, sublime amor
Tu és de Deus a soberana flor
Tu és de Deus a criação
Que em todo coração sepultas um amor
O riso, a fé, a dor
Em sândalos olentes cheios de sabor
Em vozes tão dolentes como um sonho em flor
És láctea estrela
És mãe da realeza 

És tudo enfim que tem de belo
Em todo resplendor da santa natureza 

Perdão se ouso confessar-te
Eu hei de sempre amar-te
Oh flor meu peito não resiste
Oh meu Deus o quanto é triste
A incerteza de um amor
Que mais me faz penar em esperar
Em conduzir-te um dia
Ao pé do altar
Jurar, aos pés do onipotente
Em preces comoventes de dor
E receber a unção da tua gratidão
Depois de remir meus desejos
Em nuvens de beijos
Hei de envolver-te até meu padecer
De todo fenecer 

 

Dolente na voz de Orlando Silva ou pungente na voz de Marisa Monte, profundo por Caetano Veloso e símplice nos instrumentos do Grupo de Choro Casa Velha, o poema será sempre um bálsamo para a alma.  

 

Francisco Nery Júnior 

 

Glossário: 

Olor – odor; perfume; aroma 

Clemente – indulgente; que perdoa 

Arfante – ofegante 

Sândalo – árvore aromática indiana 

Olente – cheiroso; perfumado 

Dolente – cheio de dor; lamentoso 

Láctea – cor de leite; semelhante ao leite 

Fenecer – extinguir-se; morrer 

Remir – salvar; resgatar




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12