Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Professor Galdino

O Hino de Paulo Afonso e as infinitas belezas deste lugar!

Publicada em 24/11/21 às 13:36h - 413visualizações

por Antônio Galdino - Atualizada em 24/11/2021 às 15h e 45min., com a inclusão de foto e textos.


Compartilhe
   

Link da Notícia:

Mapa turístico de Paulo Afonso  (Foto: Acervo do autor)

Guerreiros que enfrentam a batalha

Firmando os pés na terra da magia

No rosto o suor, são homens combatentes

Que tem nas mãos a força da energia

E erguem a bandeira da coragem

Com armas empunhadas noite e dia

Valentes em ação, é um só coração

Simbolizando a nossa harmonia

Nem mesmo a luz do sol e o pulso deste rio

Conseguiram impedir este grande desafio.

Nos primeiros versos do Hino de Paulo Afonso, os autores mostram a luta intensa de homens sertanejos, “os cassacos”, acostumados à dureza do sol no rosto que não os intimidou e que os levou a alcançar as vitórias do domínio do rio, e transformarem a sua força imensa em energia hidroelétrica para mudar a história do Nordeste. E tudo sob os olhares da imensa Cachoeira de quem as usinas hidrelétricas, a cidade, o município herdaram o nome: Paulo Afonso.

 

"Cassacos" abrindo a rocha, rio S. Francisco, Pres. Dutra na Cachoeira e Pres. Café Filho inaugura a 1ª Usina PA

Foi o que disseram Oscar Silva e Vilma Rodrigues, ela de saudosa memória, ao comporem a letra e a melodia do Hino de Paulo Afonso, vencedor de um concurso realizado pela Câmara Municipal de Paulo Afonso, na gestão do presidente Manoel Josefino Teixeira, em 1991/1992, há 30 anos passados.

Ao longo destes 30 anos, este hino, presente nas solenidades do município, tem sido interpretado pelo próprio Oscar Silva, por Edemir Rodrigues e por outros intérpretes de Paulo Afonso. 

No aniversário dos 63 anos de Paulo Afonso, ganhou uma versão em vídeo, com um belo arranjo do músico Igor Gnomo e a interpretação de Marília Santos com imagens belas, dignas da mensagem do hino feito por Oscar e Vilma. Vejam o vídeo no final da matéria.

Há muito anos, também produzi uma edição didática, com a letra e imagens de Paulo Afonso, vídeo que tem sido mostrado nos eventos promovidos pela Secretaria Municipal de Educação Paulo Afonso. Na época nem havia ainda o uso tão comum hoje dos drones para a captura de imagens aéreas e o digital estava apenas começando, daí, muitas imagens serem ainda em VHS, de menor qualidade.

Em todas essas versões, sempre houve a preocupação de se ressaltar a belíssima letra que conta a saga dos pioneiros desta terra sertaneja e as belezas dos muitos lugares que têm encantado, há décadas, séculos até, visitantes ilustres, como o Imperador D. Pedro II e também os mais simples, estudantes da região que, igualmente, se encantam com tantas, infinitas belezas.

Há, portanto, a necessidade premente de se procurar manter esses atrativos turísticos, essas belezas que a natureza ofereceu gratuitamente para este município.

Marco da visita do Imperador D. Pedro II. Cachoeira cheia. Cachoeira seca.

Infelizmente, procurando justificar com o progresso devorador, já se perdeu o maior atrativo turístico de toda a região, a Cachoeira de Paulo Afonso, que fez com que o Imperador D. Pedro II saísse do conforto da corte, no Rio de Janeiro, para conhece-la e lamentar que “dela somente conseguiu fazer alguns desenhos”. 

Ainda em 1980, José Carlos Feitosa, conhecido como Carlinhos da Sala, de saudosa memória, escreveu um poema em que dizia que a Cachoeira de Paulo Afonso em breve "seria apenas um retrato na parede". É o que se vê, infelizmente, há quase duas décadas... 

Mesmo sem a beleza das cachoeiras de Paulo Afonso, as muitas águas dos lagos de Paulo Afonso como o pequeno reservatório Delmiro Gouveia, que alimenta as usinas Paulo Afonso 1, 2 e 3, o imenso Lago de Moxotó, que se une ao lago da Usina PA-4 e juntos acumulam 1 bilhão e 200 milhões de metros cúbicos de água e que transformaram a parte histórica de Paulo Afonso em grande ilha, ainda deixam boquiabertos os que chegam a estas terras sertanejas depois de centenas de quilômetros de estradas, atravessando a caatinga ou de um voo de uma hora saindo de Salvador ou Recife.

 

Lago Mototó, Lago PA-4, Lago Capuxu e Lago do Touro e Sucuri (ele já foi assim).

Há ainda a beleza imensurável do cânion do rio São Francisco que tem 65 quilômetros e começa em Paulo Afonso, ao pé da Cachoeira e vai até a barragem de Xingó, onde foi instalada a última e a maior das usinas hidrelétricas da região construídas pela Chesf.

As águas do cânion do rio São Francisco têm sido bem utilizadas para fins turísticos e milhares de pessoas visitam Xingó (Canindé do São Francisco/SE), Delmiro Gouveia/AL e Olho D`Água do Casado/AL para desfrutar de suas belezas. Em Piranhas, a cidade presépio já é um grande atrativo e a ela se junta o povoado de Entremontes onde reinam as bordadeiras alagoanas. A partir de Piranhas, uma viagem à história do cangaço, pelo rio e pelas trilhas que levam à Grota do Angico, já em terras de Poço Redondo/SE.

Cânion do rio São Francisco: saindo de Paulo Afonso, na Ponte Metálica D. Pedro II, vista aérea e em Xingozinho

Os primeiros 17 quilômetros do cânion, de paredões mais altos, de até 100 metros de altura, estão no município de Paulo Afonso até a sua divisa com os Estados de Alagoas e Sergipe mas o seu aproveitamento tem sido pífio, embora ainda na gestão do Prefeito Raimundo Caires tenha nascido um projeto que oferecia o turismo de aventura e náutico, a partir do povoado Rio do Sal...

Paulo Afonso é de fato privilegiada pelas muitas belezas que a natureza nos deu e por outras muitas que o homem criou. Mas...

Museu Casa de Maria Bonita, na Malhada da Caiçara - Paulo Afonso-BA

As muitas belezas cantadas pelo poeta Oscar Silva avançam pela zona rural do município. Por ali, o pesquisador João de Souza Lima afirma ter encontrado os rastros de lampião, seus cangaceiros e apoiadores. Uma dessas marcas é a Casa de Maria Bonita, no Povoado Malhada da Caiçara que, no tempo do cangaço e das andanças de Lampião por estas terras, era parte do território de Santo Antônio da Glória e passou a fazer parte do município de Paulo Afonso a partir de 1958 quando a Vila Poty, o Distrito de Paulo Afonso, passou a ser o município de Paulo Afonso, criado pela Lei Estadual 1.012, de 28 de julho de 1958. Hoje, a Casa de Maria Bonita é um pequeno Museu. A casa, centenária, foi restaurada na gestão do Prefeito Raimundo Caires quando o Secretário de Turismo de Paulo Afonso era o ex-prefeito José Ivaldo de Brito Ferreira.

Serra do Umbuzeiro, ao lado do Povoado Riacho - Paulo Afonso-BA

Ainda na zona rural de Paulo Afonso, ao lado do Povoado Riacho, a 20 quilômetros da cidade de Paulo Afonso está a Serra do Umbuzeiro de formações rochosas impressionantes e a presença de vários sítios arqueológicos com pinturas rupestres que registram a passagem do homem por estas terras há muitos milhares de anos.

Baixa do Chico na Reserva Ecológica Raso da Catarina - Povoado Juá - Paulo Afonso-BA

Pras bandas do Povoado Juá, quarenta quilômetros distante do centro de Paulo Afonso, está a Reserva Ecológica Raso da Catarina, imensa, com mais de 600 mil quilômetros quadrados de extensão entrando por vários municípios. Nas terras de Paulo Afonso está o trecho mais enigmático dessa Reserva, terras habitadas pelos índios Pankararé. Ali, um grande trecho de cânion seco, de 12 quilômetros de extensão, apresenta, no local conhecido com Baixa do Chico, formações de arenito realmente impressionantes pelo seu formato.

 

Pequenos lagos de Paulo Afonso. Em azul, saindo do Bairro Centenário. Em verde e em amarelo, na Chesf

E há os muitos lagos do Bairro Chesf e da cidade. Mas é muito importante, imprescindível e urgente que sejam realizadas ações já há muito atrasadas para manter em condições de uso permanente, para fins do turismo, muitas destas suas belezas, dentre elas os muitos lagos do Bairro Chesf e da cidade.

A origem desses muitos lagos, especialmente os do Bairro Chesf, remete ao ex-Diretor Técnico e ex-Presidente da Chesf, o engenheiro Amaury Alves Menezes que decidiu criar esses lagos e também promover intensa arborização na área do então Acampamento da Chesf, hoje Bairro Chesf, com o objetivo de melhorar o clima da caatinga nesta região. Numa imagem aérea da Ilha de Paulo Afonso (foto de João Tavares), pode-se ver a intensa área verde no bairro Chesf e as ruas desnudas de árvores no chamado Bairro Fátima.

Há anos vem se sugerindo o melhor aproveitamento desse potencial para fins turísticos como o uso de pedalinhos e provas náuticas nesses lugares. Para isso, com o abandono desse patrimônio por tantos anos, faz-se necessário um grande trabalho de revitalização total e definitiva desses lagos. 

Estes belos lagos, como do Touro e Sucuri, que chegaram a cerca de 20, hoje quase não existem, tomados que foram pelo descaso, pela vegetação, pela falta de manutenção por dezenas de anos. Em outro artigo, que está sendo concluído falaremos com mais detalhes sobre esses lagos, sua origem e a situação em que se encontram nos dias de hoje.

As ações do Engenheiro Amaury Menezes fizeram nascer uma grande área verde no que foi o Acampamento da Chesf. Por isso, hoje, do alto do paredão da Barragem da Usina Paulo Afonso 4, vê-se claramente intensa área de cobertura vegetal em todo o lado do Bairro Chesf, escondendo as milhares de residências que ali existem. Do outro lado, toda a cidade de Paulo Afonso, o Bairro de Fátima, vê-se que existe muito pouca vegetação e quase sempre dentro dos quintais das casas.

Hoje, nesse artigo, inspirados na letra do Hino de Paulo Afonso, mostramos apenas os lugares mais bonitos, lagos, cânion, serras.

Por enquanto, deleitem-se com estas belezas, infinitas, imensas, que Paulo Afonso ainda tem para a alegria e a emoção dos seus moradores e dos turistas que nos visitam...

E vejam a letra do Hino de Paulo Afonso. E ouçam esse hino com o arranjo de Igor Gnomo e a doce voz de Marília Santos.

Oscar Silva e o Monumento ao Trabalhador.

HINO DE PAULO AFONSO

Oscar Silva e Vilma Rodrigues

Guerreiros que enfrentam a batalha

Firmando os pés na terra da magia

No rosto o suor, são homens combatentes

Que tem nas mãos a força da energia

E erguem a bandeira da coragem

Com armas empunhadas noite e dia

Valentes em ação, é um só coração

Simbolizando a nossa harmonia

Nem mesmo a luz do sol e o pulso deste rio

Conseguiram impedir este grande desafio

 

Paulo Afonso, Paulo Afonso

Cidade de infinita beleza

Paulo Afonso, Paulo Afonso

Criada pela própria natureza Paulo Afonso,

Paulo Afonso Lugar de encantos mil

És a capital da energia

Riqueza do nosso Brasil

 

O rio São Francisco é tua origem

Nascendo lá na Serra da Canastra

E sob o solo vem, formando cachoeiras

Iluminando o céu da nossa pátria

Tu és o braço forte que sustenta

A fonte inesgotável que não para

O brilho da manhã, rasgando ao meio o véu

O mundo já conhece a tua glória

 

Nem mesmo a luz do sol e o pulso deste rio

Conseguiram impedir esse grande desafio

 

Paulo Afonso, Paulo Afonso

Cidade de infinita beleza

Paulo Afonso, Paulo Afonso

Criada pela própria natureza

Paulo Afonso, Paulo Afonso

Lugar de encantos mil

És a capital da energia

Riqueza do nosso Brasil




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

3 comentários


Ana Creusa M Barreto

24/11/2021 - 20:12:12

Belíssimo documentário.Paulo Afonso merece tudo de bom.Parabéns Galdino.


Alex Xela Lima

24/11/2021 - 16:54:39

Paulo Afonso, obra do CriadorPaulo Afonso, Bahia,A Capital da Energia,Um oásis encantador,Lugar de tantas belezas:Obra das mãos do Criador.A tua rouca cachoeiraFirmada no puro granito,Orgulho do Nordeste brasileiro,No ombro lhe cai o rio inteiro.Seu imponente esplendor:Obra das mãos do Criador.


Fabiana Galdino

24/11/2021 - 14:55:15

Um maravilhoso acervo historico


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2021 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12