Terça-feira, 07 de Abril de 2020
Opinião

1. A virtude carece de método. A fortuna, das estrelas...

Publicada em 17/07/19 às 20:42h - 600 visualizações

por Edson Mendes - edsonmal@uol.com.br


Compartilhe
   

Link da Notícia:

TEMA DA SÉRIE - Nós, o povo. Cartas ao Príncipe  (Foto: imagem ilustrativa)

São os príncipes, no medievo, mandatários dos deuses, e portanto lhes cabe conduzir o burgo e a plebe unicamente sob seu arbítrio, e de suas virtudes dependem nossa fortuna, a vida e a morte. Nenhuma responsabilidade nos pesa, ao povo, senão os impostos, a obediência, a subserviência, a oração e o aplauso obrigatório. A vontade soberana do Príncipe deve ser acatada e cumprida, que esta é, para o bem e para o mal, ao fim e ao cabo, a vontade dos deuses.

Ora, hoje, aqui, neste burgo em que vivemos, neste século XXI - e desde os modernos costumes da cidade grega - ocorre mudança significativa, e fundamental, em nossasrelações com os príncipes contemporâneos. E com os deuses... Sabemos, porque alguma

luz se fez nos espíritos, que a fortuna e a virtù são aves de arribação, volúveis e instáveis, e pousam em nossos ombros ao alvedrio dos ventos e das vontades. As vontades podem cessar, os ventos sumir, a fortuna mudar-se.

Não se pode mais confiar nos designios superiores, e verticais, visto que é na horizontalidade das interações, aqui na terra, que se estabelece um contrato entre os homens, e com os homens, todos os homens, para o bem comum, e portanto é de bom augúrio afastar a decisão extrínseca e assumir os riscos e a responsabilidade de escolher os príncipes à sua imagem e semelhança.

E esta é, assim, a questão intrínseca: como escolher o príncipe? Qual a receita para um mau prefeito? E para um bom? E como aviá-las? Serão também príncipes os legisladores e os juízes? E os fiscais e os cônsules? É mais importante ser competente ou ser honesto – caso se apresente a indecisão? É possível contentar aos muitos? E aos poucos? É possível cumprir um mandato? E o que é um mandato? É possível, na hierarquia dos desejos, cumprir-se o possível, ou o necessário?

São perguntas que não se pode calar facilmente. E que levam à indecisão sobre os méritos

do príncipe e de seus hoje chamados eleitores, nós os headhunters, antigos súditos. Como

saber o tamanho do Estado? Devemos seguir pela esquerda ou pela direita? Como contratar? Como demitir? E o que é nepotismo, corrupção, compadrio, ilícito, democracia, governo, amizade, lealdade, verdade? Ética, moral, política? Na vida pública, o fim justifica os meios? Como agir, como saber?

Dado que é o homem o único animal que bebe sem ter sede, convém que o faça com discernimento. Não é recomendável que, antes de conhecer as perguntas, se comece pelas

respostas. Nós, o povo, e nenhuma outra razão alheia, precisamos definir um propósito antes da labuta, as armas antes do combate, os frutos antes das sementes, a fome antes da

colheita.

Estas são algumas palavras, quase estribilhos, deste solilóquio quase solitário que se nos impõem quase a muque, quase à força, e aqui nestas Cartas nos ajudam a acompanhar o que se passa ao redor, porque, como disse Rui, “o poder não é um antro, é um tablado. A autoridade não é uma capa, mas um farol. A política não é uma maçonaria, e sim uma liça.

Queiram, ou não queiram, os que se consagraram à vida pública até às vidas particulares deram paredes de vidro”.

Nosso mandatário deve cumprir o mandato do povo, e sob juramento conduzir-se à luz do sol, guiando-nos na construção de um futuro coletivo e compartilhado.

É preciso, portanto, começar pelo fim. O que, realmente, importa?

Edson Mendes - (81) 98105-1952 - edsonmal@uol.com.br




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

3 comentários


Confrade

20/07/2019 - 18:28:21

É, nobre escritor,tudo que é bom é pouco. Pouco ouro, pouca gente bonita, poucos honestos, pouca gente satisfeita, poucos gestores honestos. Poucas vezes acertamos na loteria, nós os eleitores, e elegemos o melhor candidato. Pelo menos o menos ruim. Muita gente pode discordar, mas em Salvador, na Bahia e em Paulo Afonso creio que temos gente comprometida com a plebe, conosco. Gestores honestos até prova em contrário. Se bem que poderiam ter um pouco mais de cuidado. Vou um pouco além e digo que pago imposto satisfeito em Paulo Afonso como em toda a Bahia como os canadenses pagam os seus impostos satisfeitos. O comentário não tem nenhuma conotação partidária ou ideológica.


PAULA FRANCINETE RUBENS DE MENEZES

17/07/2019 - 22:17:25

Pena nosso mandatário não ler esse belo texto! Talvez assim entendesse o papel para o qual foi escolhido: servir ao bem comum e não apenas a si mesmo e aos seus. Mas, nós , felizmente, lemos e refletimos... Podemos, portanto, melhorar nossas escolhas e nosso entendimento sobre coletividade. Obrigada por ser luz e poesia ao mesmo tempo, meu querido Edson.


Marcos Antônio Pereira de Lima

17/07/2019 - 21:26:29

Excelente reflexão. Parabéns ao nobre confrade e querido Menestrel Edson Mendes.👏👏👏👏👏


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2020 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12