noticias Seja bem vindo ao nosso site Jornal Folha Sertaneja Online!

PONTO DE CORTE - Válter Sales

A ARTE DE LER – 2

Publicada em 13/05/24 às 21:53h - 48 visualizações

Válter Sales


Compartilhe
Compartilhar a noticia A ARTE DE LER – 2   Compartilhar a noticia A ARTE DE LER – 2   Compartilhar a noticia A ARTE DE LER – 2

Link da Notícia:

A ARTE DE LER – 2
 (Foto: imagem ilustrativa)

Um bom critério para se fazer uma leitura proveitosa é ler sem ideias preconcebidas. Não se pode julgar o que não se conhece. A isto dá-se o nome clássico de preconceito, que é uma forma de ignorância. Um conceito se formula a partir de elementos conhecidos. É conceituar – emitir juízo, formar opinião, boa ou má, mas sobre descobertas. Não é mero palpite.

            Há paroleiros de plantão por toda parte, que falam qualquer coisa sobre qualquer coisa... A compulsão é de falar. Mas, falar o quê? Não importa. Falastrões, em geral, são acríticos.

            Ler pelo prazer da instrução, afora o papel crítico. A palavra que aqui desponta é Instrução, ao lado prazer. Então, entra o elemento crítico, que não se refere apenas ao conteúdo da obra, mas ao seu propósito. A quanto abrange em sua temática? Que luz traz à história de que trata? Que relevância oferece ao leitor? Em que favorece o seu crescimento?

            Não é instrutivo ler qualquer coisa, bem como ouvir qualquer orador. Quando o ouvido não é criterioso, a mente se intoxica. É o mesmo que acontece com vários programas, ordinários, de televisão, eivados de irrelevâncias e encharcados de dramas suburbanos, subtrativos da paz interior e de uma educação sadia. Instrutiva não é a informação pura e simples, mas a que traz consigo ensejo de crescimento cultural. Há um componente moral a ser avaliado.

            No que concerne à leitura, dá-se a perceber que a falta desse hábito também se atrela à qualidade do que o mercado editorial (popular) oferece. Há muita palha... Cultura não se deve subjugar às leis do mercado. Não é mercadoria – perecível.

            A que classe se destina uma biblioteca (ou livraria) sem clássicos? Fui, há anos, convidado para a inauguração de uma livraria. Chegando lá, encontrei de tudo: de banheira plástica a carrinho de bebê. Não me contive: publiquei matéria a respeito da miscelânea. Poucos meses depois o proprietário abriu uma livraria de verdade. Eu seu discurso, fez referência ao meu artigo.

            Uma boa sugestão a quem deseja formar uma biblioteca de boa qualidade: há, hoje, na internet, mestres e doutores em literatura e noutros campos do conhecimento, que fazem comentários e indicação de bons livros. São pessoas cultas. Têm o que oferecer. Sabem o que falam.

            O que não deve faltar em nossa vida são os livros.


Do Recife, Válter Sales



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2024 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!