noticias Seja bem vindo ao nosso site Jornal Folha Sertaneja Online!

PONTO DE CORTE - Válter Sales

A ARTE DE LER – 1

Publicada em 03/05/24 às 21:29h - 91 visualizações

Válter Sales


Compartilhe
Compartilhar a noticia  A ARTE DE LER – 1  Compartilhar a noticia  A ARTE DE LER – 1  Compartilhar a noticia  A ARTE DE LER – 1

Link da Notícia:

 A ARTE DE LER – 1
 (Foto: imagem ilustrativa)

  Ler de forma alguma é uma empresa simples. Tem suas demandas e suas implicações. A Arte de ler é o título de um livro de Auguste Émile Faguet (1847-1916). Faguet estudou e ensinou em várias cidades da França, e na famosa Sorbone. Em 1903 foi eleito membro da Academia Francesa. Seu livro, mais que um simples manual, é um curso sobre a arte de ler.

       O filósofo francês Voltaire costumava dizer que: “Lê-se muito pouco, e quase todos os que querem instruir-se leem muito mal”. Entre nós, certa aversão à leitura é um mau exemplo que vem de cima... Aprecio o grego Platão em sua teoria do Rei-filósofo, para referir um “governante inteligente e confiável que ama o conhecimento e aceita viver uma vida simples”. Falava ele dos “governantes de Calípolis, sua cidade utópica”. Seu argumento é elementarmente lógico: qualquer profissional, para exercer seu ofício, necessitou de preparo. Se um governante não o tem, deverá procurá-lo.

            Um epigramatista (versejador satírico) dizia no começo do Século XX:

                        Dos homens eis a dura lei funesta:

                        Muitos chamados, poucos escolhidos;

                        Quanto aos livros, a sua sorte é esta:

                        Muitos folheados e bem poucos lidos.

            “Saber ler é evidentemente uma arte e há uma arte de ler”. É como pensava Sainte-Beuve, que também dizia: “O crítico não passa de um homem que sabe ler e que ensina a ler aos outros”.

            Esta série cumpre uma promessa feita nesta coluna, há algum tempo. Seus textos serão enxutos e de estilo prático. Comecemos.

            Qual é o fim (a finalidade) da leitura? Alinho algumas respostas:

 

·         Por que é que lemos? – Deve haver um propósito. Não se trata de puro passatempo. É diletante? Sim. Mas não é só isto.

·         Será para nos instruirmos? Há de haver um objetivo. Ler faz-nos crescer. É ler pelo prazer da instrução.

·         Será para julgarmos as obras? Será uma leitura crítica, mas para fazer crítica é preciso conhecer o conteúdo da matéria.

·         Será para com ela nos deliciarmos? Quem ama os livros conhece o prazer da leitura. Ler enleva e eleva o espírito.

Fecho esta matéria com uma consideração de Émile Faguet, na qual ele já nos dá a primeira lição, ao responder às perguntas acima.

Se é para nos instruirmos, devemos ler muito devagar, notando com a pena na mão tudo o que o livro nos ensina, tudo o que ele contém de desconhecido para nós – e depois devemos reler, muito devagar, tudo o que escrevemos. É este um trabalho bem sério, bem grave e em que não entra prazer algum, a não ser o de que nos sentimos cada vez mais instruídos.

Em nossas leituras devemos evitar o senso de obrigação. Se é por obrigação, nunca se desenvolve o salutar hábito de ler. 


Do Recife, Válter Sales



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2024 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!