noticias Seja bem vindo ao nosso site Jornal Folha Sertaneja Online!

HISTÓRIAS & LEMBRANÇAS - Valdomiro Nascimento

Minhas inesquecíveis memórias afetivas!

Publicada em 18/04/24 às 14:03h - 954 visualizações

Valdomiro Nascimento


Compartilhe
Compartilhar a noticia Minhas inesquecíveis memórias afetivas!  Compartilhar a noticia Minhas inesquecíveis memórias afetivas!  Compartilhar a noticia Minhas inesquecíveis memórias afetivas!

Link da Notícia:

Minhas inesquecíveis memórias afetivas!
 (Foto: Divulgação Valdomiro Nascimento)

Lembro até hoje de fatos da minha infância, na Década de 60, com muito carinho e ótimas recordações... 

Nasci na Fazenda Varjota, no Município de Abaré, Sertão da Bahia.

Seu Valério, Dona Cotinha, Mãe Joana, Neide e Valdeny Nascimento

Imagens de Santos da Fazenda Varjota

Duas vezes no ano, janeiro e setembro, meus pais Seu Valério e Dona Cotinha, recebiam os Padres e o Bispo Dom Jackson Berenquer Prado (meu Padrinho de Batismo), para celebrações, crismas, batizados e casamentos.

E os acontecimentos religiosos daquela época? Além de serem grandes encontros sociais, eram cheios de fé e esperança.

Paisagem da Fazenda Varjota

Na sexta-feira da Semana Santa, durante toda a noite, lá em casa rezavam até a madrugada, esperando o galo cantar, para a comemoração da ressurreição de Jesus Cristo. E os meninos como se comportavam? Até hoje tem um pé de baraúna, onde as galinhas dormiam. Jogávamos pequenas pedras para o galo acordar e cantar mais cedo. Estávamos esperando o momento de comermos bolo de puba, biscoitos, requeijão e todas as iguarias saborosas, guardadas para a ocasião.

Imagem de Nossa Senhora da Saúde

Isaura Maciel e Valdomiro Nascimento

Na Fazenda Jardim do São Lourenço, dos meus avós maternos, Cícera e Manoel Alexandre, tinha a Novena de Nossa Senhora da Saúde, com o final em 02 de fevereiro, quando era realizada uma linda Procissão, com a participação de muita gente. 

Dona Cícera e Manoel Alexandre

Mas, não esqueci um fato importante: durante o período de seca, alguém roubava o pequeno Menino Jesus da Santa e fazia uma promessa, pedindo para chover. Assim que chovia a pequena imagem do menino era devolvido, com uma grande celebração religiosa. No meio da caatinga, o encontro de Nossa Senhora da Saúde e seu pequeno menino. Era lindo demais!

Imagem de São José

Dona Lourença Cipriano

No mês de março, Dona Lourença, a Matriarca da Família Cipriano da Varjota, fazia a Novela de São José e no final também uma bela Procissão acontecia em volta da casa. Não esqueço de um fato por demais relevante: Mãeensa, como era carinhosamente chamada pelos netos, fazia umas velinhas com pavil fino de algodão e envolvido com cera de abelha mandaçaia e distribuía para todos. O cheiro doce e suave das velinhas, iluminando aquelas noites de beleza e muita fé, nunca sairão de minha memória. Sinto o cheiro até hoje!

Quadro com a foto original de São João Batista

João Dodô Cipriano

E no mês de junho acontecia na Fazenda São Lourenço a famosa Reza de João Dodó Cipriano e sua esposa Maria Sancha (chamada de Banta). Na noite de São João, na grande final, tinha uma linda fogueira, onde assavam milho verde e também tinha o juramento de novos padrinhos e madrinhas, compadres e comadres. Depois a bandeira era sacudida e alguém pegava, como uma prenda de devoção e fé. Muitas recordações daquelas noites frias e magníficas da minha infância.

Quadro com a foto original de Santa Luzia

Luiz Alves de Carvalho, Clara Emídia da Silva, a neta Sônia e a irmã Emília

Na Fazenda Boqueirão a Reza de Luzia era também um grande acontecimento esperado durante o ano. Os Proprietários eram Luiz Alves de Carvalho (conhecido como Luiz da Várzea) e sua esposa Clara Emídia da Silva (a popular Pretinha). Dona Luzia e sua filha Ursulina moravam lá. Moradores da Região estavam presentes durante todo a dia e no final da tarde, acontecia e Procissão com muito louvor a Santa Luzia. 

Lembro-me de uma espécie de refrigerante que era vendido, chamado gengimbirra. Como é bom guardar estas lembranças tão felizes!

O quadro original com a foto de Santa Luzia é hospedado até hoje na Fazenda Mocambo, Município de Curaçá, doado por Dona Luzia ao seu afilhado Fulgêncio de Almeida.

Dona Emília e Josué Castro

No Povoado de Icozeira, o casal Emília e Josué Castro marcaram época. Hospedavam também, nos meses de janeiro e setembro, os Padres e o Bispo Dom Jackson Berenguer Prado, para as celebrações religiosas.

Dona Emília

Em dezembro, Madrinha Emília fazia um belíssimo Presépio de Natal, na Igreja de São José, o Padroeiro do Povoado de Icozeira. Parecia o verdadeiro nascimento do Menino Jesus. Quanta beleza, quanta fé, quanto amor, quanta saudade...

Meus agradecimentos a todos que ajudaram a ilustrar estas minhas memórias afetivas, em especial a Tia Isaura Maciel, a Terezinha Carvalho, Neta de Luiz Alves de Carvalho, a Ceci de Guilhermina e Isabel de Elísia de Fortunato, Netas de Dodô, as Professoras Léa Paiva e Vera Almeida, a minha querida amiga Genilda Castro e meu amado irmão Valdeny Nascimento.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

22 comentários


Marcos

08/05/2024 - 20:30:38

O que seria da humanidade sem as memórias? Belíssimo texto! Embarquei numa viagem rumo ao Sertão! Uma viagem que na mochila, só cabem os melhores sentimentos! Includive, muita gratidão ao Sertão e ao meu povo sertanejo por tantas memórias edificantes e propulsoras!


Ivo Longuinhos

23/04/2024 - 13:59:30

Amigo Val, belas porandubas... Grande abraço.


Ângela Dorea

22/04/2024 - 13:26:13

Que histórias mais lindas! Bom demais reviver o passado. Parabéns Valdomiro


Joana Darc

21/04/2024 - 14:50:49

Parabéns Valdomiro por reviver essa linda história religiosa do seu povo através desse jornal que muito tem contribuído. Tempos vividos que só deixaram boas recordações. Essa é a melhor parte. Grande Abraço


Antonia Possidonio dos Santos Maciel

21/04/2024 - 09:32:28

Valdomiro, meu amigo e quase irmão, vc sempre foi um contador de histórias, lembro-me de tantas gargalhadas ao ouvir suas anedotas no Colégio Santo Antônio de Abaré e também em casa, porque fomos hóspedes estudantil da mesma residência,nossa!! Como éramos felizes. Hoje vc põe tudo isso através da linguagem escrita é um memorial em pessoa. Parabéns querido!! um grande abraço.


Magali Menezes

20/04/2024 - 19:20:01

Parabéns, Val, pela excelente matéria sobre as recordações de vivências com sua família! É maravilhoso termos coisas boas que recordar. Gosto demais de ler suas matérias na Folha Sertaneja! Sempre Top!! Um grande abraço!


Janice Maria da Silva

19/04/2024 - 13:41:57

Linda reportagem que traz a nós netos de mãezinha lembranças muito boas da festa cobrada dia 2 de fevereiro onde se reunia gente de toda região para rever pagar promessa era muito bom quando a gente chegava lá estava mãezinha pra da a benção aos netos e a todos que chegavam que recordação boa parabéns Belo pelo seu belo trabalho


Valdeny Bernardo do Nascimento

19/04/2024 - 12:30:09

Parabéns meu irmão por resgatar a cultura religiosa da nossa região através do Jornal Folha Sertaneja só temos que agradecer a Deus por ter você escrevendo vários textos onde relembramos vários momentos inesquecível da nossa infância obrigado a todos que contribuíram com este maravilhoso trabalho


Valdeny Bernardo do Nascimento

19/04/2024 - 12:30:09

Parabéns meu irmão por resgatar a cultura religiosa da nossa região através do Jornal Folha Sertaneja só temos que agradecer a Deus por ter você escrevendo vários textos onde relembramos vários momentos inesquecível da nossa infância obrigado a todos que contribuíram com este maravilhoso trabalho


Valter Quina Nascimento

19/04/2024 - 09:15:12

Parábens primo!Excelente texto, a força das nossas raizes e ancestralidades sempre nos fortalecem para continuar lutando pela preservação dessas memórias! Olho para foto de Tio Valério e vejo meu avô Teodoro, meu pai e tio Zuza!


Sudelmar

19/04/2024 - 00:05:42

As histórias que mos remete a lembrança de nossa ancestralidade,são sempre prazerosas e cheias de saudades.


Claudio Colavolpe

18/04/2024 - 20:44:09

Parabéns Valdomiro.Recordar e viver, obrigado por partilhar um pouco dessa linda história e lembranças. Para mim é importante para conhecer um pouco mais ainda desse povo que gosto tanto e me acolhe com carinho


Alberto Moura

18/04/2024 - 19:34:25

Parabéns Waldomiro você é um excelente historiador.


Terezinha Alves de Carvalho Silva

18/04/2024 - 19:12:41

Parabéns por essa iniciativa de mostrar as memórias da sua infância. Relembro a reza de Luzia, era com muita ansiedade que aguardávamos por esse dia.Foi um prazer poder contribuir para essa sua publicação.


Hataulgo Canário.

18/04/2024 - 18:43:06

Valdomiro, você realmente é um historiador de mão cheia (Como assim falavam nossos pais). Meu Deus, quantas lembranças. Lembro-me que o meu pai passou uma semana fazendo perguntas de cunho religioso a minha pessoa, segundo ele, Dom Jackson faria as tais perguntas para mim na minha primeira "Confissão". Ainda assim, não consegui a tal primeira confissão por errar as perguntas feitas pelo reverendo. Boas lembranças.


Ione Carvalho

18/04/2024 - 17:17:56

Parabéns Vsldomiro, belas e saudosas lembranças


Maria Margarida

18/04/2024 - 16:59:52

Parabéns linda história!


Maria do Socorro Teles Soares Menezes

18/04/2024 - 16:52:05

Muito boa matéria Valdomiro! Parabéns! É muito bom relembrar os bons momentos da nossa vida. Também tenho as minhas recordações de Semana Santa na casa de tio Zuza e tia Neuza, e férias com tio Josué, tia Emília e Genilda. Hoje, só saudades!!!


Osvaldo Feliciano

18/04/2024 - 16:50:29

Parabéns Valdomiro Nascimento! Que belíssima matéria, retrata uma comunidade de fé religiosa e traz uma grande passagem do passado e presente. Abraços!


Miguel Carvalho

18/04/2024 - 16:45:04

Matéria de suma importância, na busca constante do resgate e da criação da história de um povo e da comunidade. Parabéns a Folha Sertaneja e ao nobre Valdomiro por boas e lindas matérias.


Maria Clésia Gomes de Sá

18/04/2024 - 16:16:33

Parabéns por essa belíssima matéria ...tudo sobre nossas tradições nordestina.


Janilda Maria da Silva

18/04/2024 - 15:39:19

NA VERDADE É MUITO BOM RELEMBRAR ESSES MOMENTOS VIVIDOS COM TANTA INTENSIDADE,QUANDO SE SENTIA O CALOR HUMANO, MUITO AFETIVIDADE.TAMBÉM TUDO ERA NOVIDADE PARA NÓS. EM SE TRATANDO DOS BOLOS,ERAM FEITOS APENAS EM OCASIÕES ESPECIAIS.


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2024 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!