Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Jornal Folha Sertaneja Online
Professor Nery

O privilégio da vacina - Nossas meninas, bravas pontas de lança na guerra contra a Covid-19

Publicada em 21/03/21 às 13:14h - 1410 visualizações

por Francisco Nery Júnior


Compartilhe
Compartilhar a notícia O privilégio da vacina - Nossas meninas, bravas pontas de lança na guerra contra a Covid-19   Compartilhar a notícia O privilégio da vacina - Nossas meninas, bravas pontas de lança na guerra contra a Covid-19   Compartilhar a notícia O privilégio da vacina - Nossas meninas, bravas pontas de lança na guerra contra a Covid-19

Link da Notícia:

O privilégio da vacina - Nossas meninas, bravas pontas de lança na guerra contra a Covid-19
 (Foto: Ângela Nery)


Não importa que Monteiro Lobato a tenha descrito como desgraça. Muito menos incomoda a pecha de naufrágio impingida por Oscar Niemeyer. A velhice tem suas vantagens. 


Como é doce e salutar olhar para trás e ver no retrovisor da vida o monte de pessoas doces, até ingênuas no sentido da ingenuidade das crianças, das quais é o Reino dos Céus; como é compensador ter batido com elas no caminhar da vida. Aqui e acolá alguma azeda pedra, mas elas a enriquecer e banhar de rosas a nossa caminhada. Inveja e esforço sobre-humano para imitá-las. Galgar o seu patamar. Ser um pouco menos ruim e mais condescendente; mais tolerante e menos julgador. 


Saber a grande multidão silenciosa com quem interagimos na vida. Aos professores, os noventa e nove por cento atentos, respeitosos e receptivos por eles formados. Colegas e poucos gestores fornecedores do fundamental apoio na tarefa de educar filtrando e deixando de lado os nefastos modismos dispensáveis. 


Os velhos, que querem que chamemos idosos – nós outros acima de 73 –, acabamos de receber a primeira dose da vacina contra a Covid-19. Vieram para nós as vacinas. Estamos entre os menos de 6% dos brasileiros vacinados. Não estamos muito atrás do número de vacinados na maioria dos países avançados. Recuperamos a esperança da vida. 


E podemos testemunhar o esforço da equipe de profissionais da saúde do município para bem nos atender. Eles nos trataram bem. E a doçura do tratamento das meninas, enfermeiras da linha de frente da guerra contra a pandemia, pontas de lança do pelotão de aniquilamento do vírus mortal, simplesmente nos fez esquecer a dor da picada da agulha. A bem da verdade, a dor mesmo não existiu. 


Resta o nosso muito obrigado aos pesquisadores que tornaram possível a vacina, aos gestores que providenciaram a compra e a distribuição e aos aplicadores da linha de frente. 

Agradecemos e louvamos o esforço dos heróis da guerra santa contra a pandemia. Guardamos no coração a gratidão. Mantemos viva na memória a sua dedicação heroica. E tudo isso fazemos para fundamentalmente não nos atolarmos na sofrência e na lembrança dos que se foram no meio da batalha de uma guerra que, queira Deus, haveremos de vencer. 

Francisco Nery Júnior




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

1 comentário


Professor Galdino

21/03/2021 - 17:22:16

Ouvi de amigo, velhinho, como nós, mas que só completa 70 anos em julho, o seguinte: é numa hora destas que gostaríamos de ser ainda mais idosos...rsss. No editorial do jornal Folha Sertaneja do mês de janeiro eu escrevi. - Não importa qual é o idioma que a vacina fala, se é inglês, russo ou mandarim. O importante é que ela, de fato, salve vidas. Pois bem, assim como você, o velhinho aqui também foi vacinado e, se precisar, além da outra dose, em 16 de abril, ainda tomo outras...rss


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12