noticias Seja bem vindo ao nosso site Jornal Folha Sertaneja Online!

Opinião/Reflexão/Crônica

Escritor João de Sousa Lima fala de “DULCE A MAIS AMADA E AMÁVEL MERETRIZ...”

Publicada em 24/05/24 às 12:25h - 313 visualizações

João de Sousa Lima


Compartilhe
Compartilhar a noticia Escritor João de Sousa Lima fala de “DULCE A MAIS AMADA E AMÁVEL MERETRIZ...”  Compartilhar a noticia Escritor João de Sousa Lima fala de “DULCE A MAIS AMADA E AMÁVEL MERETRIZ...”  Compartilhar a noticia Escritor João de Sousa Lima fala de “DULCE A MAIS AMADA E AMÁVEL MERETRIZ...”

Link da Notícia:

Escritor João de Sousa Lima fala de “DULCE A MAIS AMADA E AMÁVEL MERETRIZ...”
 (Foto: Redes sociais, acervo de João de Sousa Lima)

Agora que a morte levou Dulce Freitas estive lembrando fatos que marcaram nossa amizade, em um capítulo biográfico sobre a Dulce onde pontuei os prostíbulos que ela andou e administrou, coloquei por título: DULCE A MAIS AMADA E AMÁVEL MERETRIZ...

Quando li o título pra ela, veio de sua parte a sentença:

 - EU ERA PUTA!

Rimos bastante diante do modo exacerbado no tratamento que ela mesmo se dava, forma cômica e realista que as vezes achava que era pra compensar as dores que a vida havia lhe deixado como marcas profundas.

Dulce, ainda jovem e o Roda Viva

Com o livro já impresso: PAULO AFONSO E A VILA POTY:  A HISTÓRIA NÃO CONTADA, que narrava a história da Dulce, fui lança-lo na câmara a convite do presidente da época.

Na Câmara houve um rebuliço diante do lançamento pois estavam esperando na verdade a vinda de um dos secretários da prefeitura para uma sabatina quanto aos gastos altos da repartição. Enquanto aguardávamos, eu e meus convidados, o desfecho dos vereadores, uma discussão acirrada tomou conta da casa do povo. Os vereadores pediram uma votação e cinco deles foram contra o lançamento: Mário Galinho, Edilson do Hospital, Pedro Macário, Antônio Alexandre e Jean Hubert. A maioria votou a favor do lançamento. Dos 5 contrários ao lançamento, 4 resolveram abandonar seus postos e diante de vaias saíram de suas bancadas.

O Jean alegou que era contra o lançamento em apoio ao partido que defendia no momento, porém falou que permaneceria no local porque era meu amigo.

Alguns amigos queriam invadir o recinto, incitaram uma agressão, por outro lado minha filha mais velha veio chorando e pedindo que eu não revidasse a afronta dos vereadores contrários ao lançamento, eu prometi que não iria revidar nada. O jornalista e amigo Antônio Galdino pediu a palavra e com bastante veemência fez um discurso inflamado e duro contra a atitude dos vereadores que não respeitaram o público convidado e o escritor.

Nunca havia visto e ouvido Galdino tão alterado em um discurso. Na verdade, foi um puxão de orelha homérico.

Por fim me convidaram para ir ao púlpito e diante de uma plateia eufórica, com alguns amigos achando que eu revidaria de uma forma mais agressiva por causa do meu temperamento explosivo, eu me mantive sereno, agradeci o convite, disse que diante do momento constrangedor pra mim, minha família e meus amigos, eu não faria mais o lançamento naquele local, que deixaria o lançamento  para outro momento, embora iria falar o que havia preparada para a ocasião, e diante do material que havia preparado em slides, fui mostrando imagens de personagens retratadas em meu livro e quando chegou na foto de Dulce, lembrei que ela estava presente e quando apontei pra ela, aquela senhora se levantou, fez pose, vestido florido de tecido brilhante, anéis reluzentes, queixo levemente acima dos ombros, olhar fixo nos Vereadores que ficaram para o lançamento,  os presentes se puseram de pé e a aplaudiram por um longos minutos.

Finalizei meu discurso e fui recolher meus livros, abraçar os amigos e acalentar minha filha que ainda estava nervosa.

No abraço coletivo com os amigos senti falta de Dulce e a chamei, quando ela se aproximou, diante de todos, fez a fala mais justa, sábia e verdadeira, e, ao mesmo tempo engraçada e provida de razão que o momento caberia:

- PELA PRIMEIRA VEZ UMA CÂMARA DE VEREADORES APLAUDIRAM UMA PUTA E VAIARAM OS VEREADORES!

João de Sousa Lima e Dulce, na Sala do IGH, na Casa da Cultura

Risos ecoaram, eu abracei a velha meretriz, beijei sua face e saímos todos...

Dias depois o lançamento oficial da obra foi realizado no Memorial Chesf. Muitos amigos participaram, foi uma noite memorável onde pude realmente lançar o livro diante de pessoas educadas, de amigos queridos e da família amada.

Na plateia se encontrava o advogado e amigo Dr Isac Oliveira. Lateral a poltrona de  Isac tinha uma vaga,  uma elegante senhora pediu licença e se acomodou, diante do olhar de Isac ela declarou:

- Eu estou nesse livro, aí conta minha história!

Isac saiu procurando nas páginas pra ver se encontrava quem era aquela senhora ao seu lado.

Dulce se apresentou:

- Eu sou Dulce, a puta!

Olhos arregalados, Isac a cumprimentou.

Daí surgiu uma amizade.

... Então, essa era minha amiga Dulcinete Freitas, a nossa querida Dulce do Roda Viva, Dulce do Chimba, do Mangaratiba, da Feirinha...

Dulce a Puta, Dulce a Meretriz, a Vendedora de Sapatos, a Desbocada, Dulce a Candidata a Vereadora que diante da juventude exclamava: Votem em mim, vocês não me conhecem, mas seus pais sabem quem eu sou!

Dulce a polêmica, Dulce que em um momento difícil para quem escreve essas linhas, se colocou de pé e foi aplaudida, Dulce que teve uma vida amarga e sabia ser doce diante das vicissitudes.

Dulce minha amiga, minha saudosa amiga, Dulce eterna em meu coração....




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2024 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!