Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Opinião/Reflexão/Crônica

“Na política de Paulo Afonso existe um jogo fantasmagórico e verborrágico”, diz Capitão Paz

Publicada em 13/09/19 às 00:31h - 1535 visualizações

por Capitão Laércio Paz


Compartilhe
Compartilhar a notícia “Na política de Paulo Afonso existe um jogo fantasmagórico e verborrágico”, diz Capitão Paz  Compartilhar a notícia “Na política de Paulo Afonso existe um jogo fantasmagórico e verborrágico”, diz Capitão Paz  Compartilhar a notícia “Na política de Paulo Afonso existe um jogo fantasmagórico e verborrágico”, diz Capitão Paz

Link da Notícia:

“Na política de Paulo Afonso existe um jogo fantasmagórico e verborrágico”, diz Capitão Paz
 (Foto: divulgação)

Pontua Capitão PAZ *

Aproxima-se as comemorações do padroeiro de nossa cidade Paulo Afonso-BA, o Santo Católico São Francisco de Assis, que foi um dos maiores exemplos de altruísmo da humanidade ao ter aos 24 anos renunciado toda a sua riqueza para se dedicar a “Senhora Pobreza”.

Na sua oração é dito: “e dando que se recebe, e perdoando que se é perdoado”.

No dia a dia, o comportamento da nossa classe política e infelizmente parte do povo, como se diz no meio militar, “passa ao largo”, bem aquém de alguma espécie de solidariedade em prol do bem-comum pregado pelo nosso padroeiro.

É triste, mas, muitos em nossa cidade se envolvem numa trama de um jogo fantasmagórico e verborrágico, com nuances de surrealismo, que expõe e discute o medo latente de perderem seus privilégios.

Os teus príncipes são rebeldes, companheiros de ladrões; cada um deles ama o suborno, e corre atrás de presentes. Não fazem justiça ao órfão, e não chega perante eles a causa das viúvas”. (Isaías 1:23)


Não é preciso um esforço muito grande para refrescar a memória do povo, basta lembrar a marcha contra a taxa de 80% de esgotamento sanitário, cobrada pela Embasa. A comunidade foi convidada a acompanhar políticos naquela caminhada anunciada aos quatro ventos com fogos de artifício, para a redução da taxa para 45%. Eis que, forçado pelas circunstâncias para satisfazer alguns privilégios pessoais debandou-se a oposição e a taxa de 80% foi aprovada.


A maioria dos necessitados e desempregados dos bairros mais pobres de nossa cidade, que tinham uma conta de R$ 60,00 passaram automaticamente a pagar uma conta de R$ 108,00. Chamo atenção que os discursos políticos aqui mudam, e nunca é pelo interesse do povo, mas pelos seus próprios interesses.

Somos uma cidade de desempregados, nem fábrica de pipoca temos. Somente 16 mil, das 124 mil pessoas do município têm empregos formais, a maioria vive de bicos; metade recebe meio salário mínimo. O adjetivo correto usado em discursos é crueldade e não solidariedade o que estão fazendo contra os pauloafonsinos mais carentes.


Muitos mandatários políticos de nossa cidade chamam um ao outro de ladrão, em alto e bom tom para todo povo ouvir, mas, num momento seguinte próximos às eleições estão todos juntos, rindo daqueles que tem memória curta e preparando seu asqueroso novo projeto de poder.

É incrível como Rui Barbosa continua tão imortal ao ter citado a célebre frase: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.”

A corrupção no Brasil remonta ao período colonial e a uma cultura de exploração. Padre Antônio Vieira, no sermão do bom ladrão, já dizia que os governantes não vinham de Portugal com o propósito de alcançar nosso bem, mas sim de alcançar nossos bens. Mas, acredito que nosso passado influencia, mas não determina, quem somos. Mais do que isso, acredito que podemos escolher quem queremos ser e que o queremos ter.

Concluo deixando para reflexão três frases desse maravilhoso cristão que foi São Francisco de Assis para aqueles que amam Paulo Afonso, assim como eu:

“Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de repente você estará fazendo o impossível.”

“O que temer? Nada. A quem temer? Ninguém. Por quê? Porque aqueles que se unem a Deus obtém três grandes privilégios: onipotência sem poder; embriaguez sem vinho e vida sem morte.”

“Apenas um raio de sol é suficiente para afastar várias sombras.”

*Láercio Paz, o Capitão Paz, é pauloafonsino, ex-aluno do COLEPA e é Capitão da Reserva do Exército Brasileiro. É também Bacharel em Direito e pos-graduado em Direito Administrativo e Direito Penal.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

1 comentário


Luiz Carlos

13/09/2019 - 09:49:05

Positivo cap.paz não é possível que com mais de trinta anos de robalheira a sociedade de Paulo Afonso não consiga ver que o velho discurso,as mesmas personagens,as mesmas obras continuam do mesmo jeito,temos que ser RADICAL com essa política mentirosa, vamos cortar o MAL pela raíz.


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!