Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Professor Nery

Anilton Bastos, um filho dedicado

Publicada em 29/07/22 às 22:51h - 387 visualizações

por Francisco Nery Júnior


Compartilhe
Compartilhar a notícia Anilton Bastos, um filho dedicado   Compartilhar a notícia Anilton Bastos, um filho dedicado   Compartilhar a notícia Anilton Bastos, um filho dedicado

Link da Notícia:

Anilton Bastos, um filho dedicado
O médico Anilton Bastos, ex-prefeito de Paulo Afonso por 3 vezes, em seu consultório no Ambulatório da Chesf, recebendo homenagem do IGH, então presidido pelo Professor Severino Gilson, com ele na foto.  (Foto: Antônio Galdino)

Aconteceu hoje, 29 de julho de 2022, em uma clínica da cidade. Eu me encontrava em trabalho de preparo para uma tomografia (as pedras nos meus rins são o purgatório do momento). No corredor, alguém a empurrar uma doce, frágil, mas vistosa senhora numa cadeira de rodas. O seu olhar, um pouco caído ou pela gravidade que eu não sabia, ou pela força de atração com o passar dos tempos, era um olhar de confiança. De dentro para fora, de relance eventual, alguém parecido com o antigo prefeito de mais de dois mandatos, Anilton Bastos. Ponderei com a minha mulher, na hora a minha acompanhante, se seria mesmo o ex-prefeito. 


Estou ficando velho, mais velho para ser mais preciso, e a vista começa a falhar. O condutor da veneranda senhora seria certamente um contínuo no seu trabalho fundamental de suporte às atividades da clínica. 


Não era. O condutor era o ex-prefeito e médico respeitado Anilton Bastos Pereira. Melhor dizendo, era o filho de uma paciente de 90 anos carente dos seus cuidados. Assim fui informado pela enfermeira atendente. Pensei em interpelá-lo, até porque tenho um procedimento marcado com ele em outra clínica da cidade. Mas o leitor há de convir que seria, no mínimo, uma chatice; uma interferência sem necessidade, um desmanchar do prazer de um filho tentando retribuir, em sentido inverso, todo o carinho provavelmente recebido daquele agora sua paciente. 


E ele desapareceu porta afora da clínica certo do restabelecimento da sua mãe. A honra dedicada ao empurrá-la ele mesmo era a garantia. Assim está escrito. Assim assegurado. Assim a recompensa. 


E eu, feliz testemunha de um ato singular de nobreza, ou de amor filial, fico a lamentar não mais possuir uma mãe que eu possa empurrar eu mesmo, com as minhas mãos, pelos corredores de uma clínica, em busca da tão merecida cura. 


Francisco Nery Júnior  




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!