Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Jornal Folha Sertaneja Online
Professor Nery

Nos tempos de Manoel José e a crítica bem-humorada do gracista pernambucano

Publicada em 30/03/21 às 23:56h - 883 visualizações

por Francisco Nery Júnior


Compartilhe
Compartilhar a notícia Nos tempos de Manoel José e a crítica bem-humorada do gracista pernambucano   Compartilhar a notícia Nos tempos de Manoel José e a crítica bem-humorada do gracista pernambucano   Compartilhar a notícia Nos tempos de Manoel José e a crítica bem-humorada do gracista pernambucano

Link da Notícia:

Nos tempos de Manoel José e a crítica bem-humorada do gracista pernambucano
Casa de Hóspedes da Chesf e ao lado, antiga casa do Sr. Manoel José  (Foto: Antônio Galdino)



Em 1974, fui morar por algumas semanas na Casa de Hóspedes. Tinha acabado de concluir meu curso universitário em Salvador. Me transferiram para o Colepa, em Paulo Afonso, onde estudavam Cláudio e Rose, filhos de Manoel José. Com o colega professor Erasmo e com os dois, vizinhos da Casa de Hóspedes, gastávamos o tempo em papos e análises do que acontecia no Brasil de então. Sem maquininhas nas mãos, era o tempo em que os alunos se envolviam na escola e, no exercício da cidadania, procuravam acrescentar valor ao desenvolvimento do Brasil. 


Eles eram filhos de Manoel José. Manoel era lotado no SPOM, encarregado da manutenção dos jardins do Acampamento. Como teria sido bom se tivessem me empurrado para lá na sua época! Em terreno fértil, teria tido o privilégio de plantar árvores aos montes com uma das figuras mais dignas dos bons tempos do pioneirismo. 


Manoel José levava a sério a tarefa da criação do oásis que chamamos de acampamento. Mais do que Sancho Pança, cumpria fielmente as ordens do Doutor Amaury, Dom Quixote providencialmente aportado em Paulo Afonso. Sabia serem as árvores a preservação do São Francisco. Entendia ser o ar puro a manutenção da saúde dos pauloafonsinos. 


Do seu birô no SPOM, à vontade no comando das centenas de jardineiros que o Doutor Amaury colocava à sua disposição, toalha e sabonete na gaveta ao lado, podemos dizer que surgiram as milhares de árvores que hoje fornecem o oxigênio que respiramos. O SPOM era a sua casa. Plantar árvores era a sua devoção. Proteger a Natureza o seu dever. 


Mas ele ficou para trás. Na realidade, a cada cem anos aparece um Manoel José. E nós parecemos ficar mais à vontade sem um Manoel José a nos encher de vergonha com o seu exemplo. As gerações futuras, elas que se virem. As nossas crianças, elas que se protejam do sol em praças e áreas de lazer que parecem terem sido projetadas para uma cidade de notívagos, aqueles que trocam o dia pela noite. 


Em nossa cidade, um humorista pernambucano. Com graça e arte, descreveu e analisou alguns aspectos que observou. “Butou” a cabeça pra pensar e nos fez raciocinar sobre alguns detalhes locais. Lá no “Ricife”, empanturrados de macaxeira, se houver oportunidade; se assim nos ajudar engenho e arte – que ele sabe esbanjar – poderemos fazer o mesmo. 


Dentre outras coisas, nosso visitante observou que a Praça dos Aposentados tem mais mesas de damas que árvores. O nosso analista não entendeu – como não entendemos nós outros – que o plantio de árvores não seja uma prioridade em uma das regiões mais quentes do país. Não entendeu que como dependentes do rio para a produção de energia elétrica, não tenhamos a noção da preservação das matas ciliares do São Francisco. Não admite que possamos ter perdido a noção que somos parte da calha do rio e temos a obrigação de preservá-la – para a nossa sobrevivência. 


Quem sabe o nosso oportuno vizinho nordestino seja um Noé a prever o dilúvio; no caso a seca do rio? Como profeta não faz milagres em sua própria terra, a esperança que o “estendapista”, profeta de fora, tenha despertado em nós a noção que plantar árvores e preservar matas e florestas é uma questão de sobrevivência. 

Francisco Nery Júnior   



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

11 comentários


Rose

29/04/2021 - 14:13:18

Alguém perguntou sobre is filhos do meu pai:Rose,Ana,Teresa e Warlei moramos em Caruaru-Pe. Zélia em Recife Claudio em Aracaju Meu zap 81991681676Facebook e Instagram: rosyaguilar( meu nome artístico)


Cláudio Manoel

29/04/2021 - 05:14:57

Cuidar do verde, é ter a consciência ecológica necessária para a sobrevivência da humanidade.Meu pai tinha essa consciência intrínseca ao seu ser,em que pese lhe faltar o conhecimento acadêmico.Resgatar seu labor naquela época é fazer fotossíntese.


F. Nery Jr.

02/04/2021 - 16:25:18

Ao pessoal da família: UMA FOTO[S] DO COLEGA MANOEL JOSÉ! Enviar para o site. Abrs para vocês.


Professor Galdino

01/04/2021 - 23:38:49

Aos familiares do Sr. Manoel José. O reconhecimento desse valor do chesfiano preocupado em cuidar do Acampamento da Chesf e criar esse espaço verde mais agradável que a aridez da caatinga, em tempos que nem se falava em preservação do meio ambiente, deixou como legado para as gerações que vieram depois dele toda a grande área arborizada do hoje Bairro Chesf. Isso não tem preço, como destaca muito bem o Professor Francisco Nery, um amante da natureza que tem, em sua própria casa um viveiro de plantas da região que vive doando até para Prefeitura. Lamentamos que ao editar essa matéria não tenha encontrado nenhuma foto do Sr. Manoel José e coloquei uma em que aparece a sua antiga casa, ao lado da Casa de Hóspedes. Peço a alguém da família que nos envie algumas fotos desse pioneiro. Enviem para email: professor.gal@gmail.com. Abraço fraterno para Rose, Francisco, Tereza, todos. Prof. Galdino


Norman

01/04/2021 - 22:27:28

Interessante receber um olhar tão analítico sobre meu avô. Não tive a oportunidade de conhece-lo, infelizmente. Só me resta agradecer por esse retrato carinhoso.


Marta Ayres

01/04/2021 - 21:43:24

Amei essa viagem no tempo.Profesor Nery se for a mesma pessoa, foi meu professor de inglês. Lembrei dos queridos amigos dessa família linda.


Norlandia

01/04/2021 - 21:31:42

Que bela MSG,. Amei ler. Pai de uma grande amiga.


Tereza Cristina

01/04/2021 - 21:16:39

Filha caçula.....super emocionada....saudades de meu pai.obrigada


Colega

01/04/2021 - 21:15:26

Onde andam Rose e Cláudio? Casados, formados, filhos, sua senhora mãe bem? Temos saudades.


Francisco Manoel

01/04/2021 - 21:09:49

Olá, sou Francisco, filho do anunciado em seu texto.Obrigado pela homenagem.


Rosimeire da Silva

01/04/2021 - 20:59:10

Sou Rose, filha de Manoel José da Silva. Me emocionei ao ler essa reportagem,homenagem mais que merecida ao nosso querido pai.Obgda Nery Júnior.


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12