Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Jornal Folha Sertaneja Online
Professor Nery

Pedido de socorro de um a cadela

Com o poema "O Pássaro Cativo", de Olavo Bilac

Publicada em 16/08/20 às 15:22h - 785 visualizações

por Francisco Nery Júnior


Compartilhe
Compartilhar a notícia Pedido de socorro de um a cadela   Compartilhar a notícia Pedido de socorro de um a cadela   Compartilhar a notícia Pedido de socorro de um a cadela

Link da Notícia:

Pedido de socorro de um a cadela
 (Foto: Da net)


Noite e dia presa a uma mangueira por uma corda de não mais de metro e meio, ela pede socorro. Late, e mais late. Esgotados os meios civilizados e republicanos, que mais fazer por um animal que se fez amiga em se doando sem reservas? Publicar o poema de Olavo Bilac na esperança última da sensibilização dos algozes, na hipótese improvável da leitura. 

Desde já – o que poderiam estar dizendo os milhares de animais enjaulados -, o destaque: 

. “Com que direito à escravidão me obrigas?” 

. “Por que me prendes? Solta-me, covarde!” 

 

O PÁSSARO CATIVO (Olavo BILAC) 

 

Armas, num galho de árvore, o alçapão
E, em breve, uma avezinha descuidada,
Batendo as asas cai na escravidão.
Dás-lhe então, por esplêndida morada,
Gaiola dourada;

Dás-lhe alpiste, e água fresca, e ovos e tudo.
Por que é que, tendo tudo, há de ficar
O passarinho mudo,
Arrepiado e triste sem cantar?

É que, criança, os pássaros não falam.
Só gorjeando a sua dor exalam,
Sem que os homens os possam entender;
Se os pássaros falassem,
Talvez os teus ouvidos escutassem
Este cativo pássaro dizer:

"Não quero o teu alpiste!
Gosto mais do alimento que procuro
Na mata livre em que voar me viste;
Tenho água fresca num recanto escuro

Da selva em que nasci;
Da mata entre os verdores,
Tenho frutos e flores
Sem precisar de ti!

Não quero a tua esplêndida gaiola!
Pois nenhuma riqueza me consola,
De haver perdido aquilo que perdi...
Prefiro o ninho humilde construído

De folhas secas, plácido, escondido.
Solta-me ao vento e ao sol!
Com que direito à escravidão me obrigas?
Quero saudar as pombas do arrebol!
Quero, ao cair da tarde,
Entoar minhas tristíssimas cantigas!

Por que me prendes? Solta-me, covarde!
Deus me deu por gaiola a imensidade!
Não me roubes a minha liberdade...
Quero voar! Voar!

Estas cousas o pássaro diria,
Se pudesse falar,
E a tua alma, criança, tremeria,
Vendo tanta aflição,
E a tua mão tremendo lhe abriria
A porta da prisão... 

Francisco Nery Júnior




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

3 comentários


Covardia

17/08/2020 - 10:52:17

Esses COVARDES EGOÍSTAS que prendem um pobre passarinho em uma gaiola pro resto da vida. Na cama pra morrer, eles ainda vão perguntar, o que é que eu fiz?


Francisco. Nery Júnior

16/08/2020 - 21:17:28

Pequeno adendo ao oportuno e esclarecedor comentário do colega Edson Barreto. Mari magno (mar grande ou largo em latim): primeiras palavras de verso de Lucrécio cujo sentido se completa assim: "É agradável, quando no mar largo os ventos levantam as ondas, contemplar da terra firme os perigos a que os outros se acham expostos". Lucrécio,De rerum natura (das coisas naturais),II,1.Machado era epilético e as convulsões do cão podem significar suas próprias convulsões.Então a expressão significa alguém contemplar outra pessoa em perigo a partir de um ponto seguro.


Edson Barreto

16/08/2020 - 16:36:24

Parabéns, professor Francisco Nery, por tão emotiva produção textual. A raça humana nos propicia atitudes de irracionalidade em diversas ocasiões. Fez-me lembra um poema de Machado de Assis, em que ele evoca a estupidez humana. Ei-lo:Suave Mari MagnoLembra-me que, em certo dia,Na rua, ao sol de verão,Envenenado morriaUm pobre cão.Arfava, espumava e ria,De um riso espúrio e bufão,Ventre e pernas sacudiaNa convulsão.Nenhum, nenhum curiosoPassava, sem se deter,Silencioso,Junto ao cão que ia morrer,Como se lhe desse gozoVer padecer.


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12