Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Professor Galdino

Dias 3 e 10 de Outubro. Duas datas marcantes para os nordestinos e para o Brasil: É criada a Chesf; morre Delmiro Gouveia.

Publicada em 08/10/21 às 18:24h - 686 visualizações

por Antônio Galdino


Compartilhe
Compartilhar a notícia Dias 3 e 10 de Outubro. Duas datas marcantes para os nordestinos e para o Brasil: É criada a Chesf; morre Delmiro Gouveia.  Compartilhar a notícia Dias 3 e 10 de Outubro. Duas datas marcantes para os nordestinos e para o Brasil: É criada a Chesf; morre Delmiro Gouveia.  Compartilhar a notícia Dias 3 e 10 de Outubro. Duas datas marcantes para os nordestinos e para o Brasil: É criada a Chesf; morre Delmiro Gouveia.

Link da Notícia:

Dias 3 e 10 de Outubro. Duas datas marcantes para os nordestinos e para o Brasil: É criada a Chesf; morre Delmiro Gouveia.
 (Foto: Arq. do jornal Folha Sertaneja)

Do alto dos seus 82 anos e memória privilegiada, me lembra, o Dr. Luiz Fernando Motta Nascimento,  em e-mails, de duas datas que não podem passar desapercebidos por quem deseja conhecer a história do desenvolvimento do Nordeste.

3 de outubro de 2021 – 76 anos do nascimento da Chesf

A primeira data é o dia 3 de outubro, dia de Santa Terezinha no calendário católico, a santa de devoção de Apolônio Jorge de Farias Sales, engenheiro agrônomo, então poderoso Ministro da Agricultura do presidente Getúlio Vargas.

Talvez associado à sua crença, foi no dia 3 de outubro de 1945, há 76 anos, que o ministro Apolônio Sales levou para o presidente Getúlio Vargas assinar os documentos de criação da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf.

Presidente Getúlio Vargas e Apolônio Sales, também na Cachoeira de Paulo Afonso

Das mãos do ministro Apolônio Sales para a assinatura do Presidente Vargas, o Decreto-Lei 8031, que autoriza a criação da Chesf, o Decreto-Lei 8032, que abre um crédito especial para a subscrição de metade das ações da Chesf pelo Tesouro Nacional e o Decreto Nº 19.706 que outorga à Chesf a concessão para o aproveitamento da energia hidráulica entre Juazeiro/BA e Piranhas/AL, conforme indicava o Ministro da Agricultura, Apolônio Sales, nordestino de Altinho/PE.

Infelizmente, as mudanças políticas no país atrasaram a instalação da primeira diretoria da Chesf em dois anos e meio e a grande hidrelétrica do São Francisco só começou a caminhar a partir de 15 de março de 1948 quando foi eleita a sua primeira diretoria, tendo à frente o engenheiro Antônio José Alves de Souza que a presidiu até à sua morte, em 18 de dezembro de 1961, vitimado por um infarto fulminante.

E o que aconteceu entre 3 de outubro de 1945 e 18 de março de 1948?

A história registar que em 29 de outubro de 1945, ou 26 dias depois de assinar os decretos criando a Chesf,   o presidente Getúlio Vargas foi deposto por um golpe de Estado.

Também há o registro histórico que, embora os miliares tenham promovido a deposição de Vargas, eles também articularam para a entrega do poder ao presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro José Linhares que manteve o calendário das eleições para o dia 2 de dezembro de 1945 quando foi eleito, com o apoio de Getúlio, o general Eurico Gaspar Dutra.

Pouco mais de um ano e meio depois de estar na presidência da República o General Dutra, acompanhado de grande comitiva, dentre eles ministros e governadores da região, visitou a Cachoeira de Paulo Afonso, o centro da proposta de Apolônio Sales ao criar a Chesf.

Revista O CRUZEIRO de 12 de julho de 1947

A visita teve a cobertura jornalística da Revista O Cruzeiro em sua edição de 12 de julho de 1947, em reportagem que vai da página 54 à página 58 e continua, aos pedaços, nas páginas 84, 6 e 16 (nessa ordem) com um texto de Theofilo de Andrade e fotos de Ângelo Regato.

Presidente Dutra, Ministros, Deputados, Senadores, Governadores, na Cachoeira de Paulo Afonso

Embora o título da reportagem seja ENERGIA PARA O NORDESTE, o texto começa ressaltando a preocupação do Presidente Dutra, que foi o Ministro da Guerra no governo Getúlio Vargas, com o problema da defesa nacional. Depois, Theofilo de Andrade discorre longamente sobre os problemas do rio São Francisco e só caminhando para o final da reportagem, na página 6 desta revista, ele afirma que “foi com o beneplácito do chefe do governo que se deu andamento ao projeto criando a Comissão Técnica de Planejamento e Execução das Obras de Aproveitamento Econômico do Vale do São Francisco. E recentemente foi o General Dutra que deu instruções ao Ministro da Agricultura para dar cumprimento ao Decreto-Lei Nº 8031, de 3 de outubro de 1945, que criou a Empresa Hidro Elétrica do São Francisco destinada a explorar o potencial da Cachoeira de Paulo Afonso.

Este projeto tem sido animado, desde alguns anos, por um nordestino de visão, o Sr. Apolônio Sales, que descortinou a possibilidade de aproveitar-se a energia com que a natureza nos presenteou ao atirar o São Francisco do planalto para o litoral nos limites entre Pernambuco e Alagoas em uma das cataratas mais portentosas que ornam a face da terra.”

Da esq:1ª diretoria da Chesf:  Adozindo Magalhães de Oliveira, Carlos Berenhauser Júnior, Antônio José Alves de Souza e Otávio Marcondes Ferraz

O fato é que, como o título da reportagem já anuncia, enfie sai do papel a maior obra de construção de usinas hidrelétricas no Brasil por aqueles tempos. Nasce a Chesf que em 15 de março de 1948 tem a sua diretoria anunciada: Presidente - Engenheiro Antônio José Alves de Souza; Diretor Técnico - Engenheiro Otávio Marcondes Ferraz; Diretor Comercial - Carlos Berenhauser Júnior; Diretor Administrativo - Adozindo Magalhães de Oliveira. Já com as suas primeiras usinas em funcionamento, a Chesf tornou-se a Redenção do Nordeste. E a história desta região será sempre escrita com dois grandes capítulos: Nordeste A/C (antes da Chesf) e Nordeste D/C (depois da Chesf). 

A reportagem segue dizendo que “Há anos um caboclo baiano de gênio empreendedor, o inesquecível Delmiro Gouveia, varou o sertão para aproveitar um filete da grande cachoeira...”.

Lembro a todos que, embora Theofilo de Andrade tenha dito ser Delmiro Gouveia “baiano de gênio empreendedor”, Delmiro Augusto da Cruz Gouveia, era cearense, de Ipu.

Aproveitando a referência de Theófilo Andrade a Delmiro Gouveia para falar da segunda data importante neste início do mês de Outubro de 2021.

10 de outubro de 2021 – 104 anos da morte de Delmiro Gouveia

Às 20 horas e 30 minutos do dia 10 de outubro de 1917, há 104 anos, estampidos de arma de fogo ecoaram na noite silenciosa da Vila da Pedra. E logo a notícia correu pelo povoado.

- Mataram o Coronel Delmiro Gouveia.

O grande empreendedor nos sertões das Alagoas, pioneiro na produção de energia elétrica retirada das águas da Cachoeira de Paulo Afonso, pioneiro da Vila Operária, da semana com repouso semanal remunerado, do cinema no meio da caatinga, da abertura de centenas de quilômetros de estradas de rodagem onde fez rodar os primeiros veículos no sertão, o investidor na produção de linhas de coser que eram até importadas para países da América Latina, assustando a maior concorrente inglesa. O homem que abriu escolas para as crianças e os adultos em sua Vila da Pedra, foi assassinado.

E as razões da sua morte, assim como os autores desse crime virou grande enigma que invadiu as décadas e já chega a um século de especulações, argumentos e contra-argumentos sem uma certeza definitiva.

Vários livros, como “Quem matou Delmiro Gouveia?”, de Gilmar Teixeira que conclui uma segunda edição mais completa, continua sendo apenas uma interrogação.

As consequências da morte de Delmiro Gouveia representam, para todos os seus muitos biógrafos e estudiosos de sua passagem por estas terras e pelo Nordeste, um grande atraso no processo de desenvolvimento do Nordeste.

Todos são unânimes em afirmar que, se Delmiro Gouveia vivesse mais alguns anos, algumas décadas, certamente que a história dessa região seria contada de forma bem diferente já há muitos anos.

Foram as ideias geniais de Delmiro Gouveia, que hoje dá nome ao município e à sua sede, onde era a Vila da Pedra, que levaram o ministro da Agricultura do governo Vargas, Apolônio Sales, a apresentar ao presidente da República os Decretos de criação da Chesf, assinados por Getúlio Vargas, em 3 de outubro de 1945, 28 anos depois da morte de Delmiro Gouveia. Mas somente a partir de 15 de março de 1948, suas ideias geniais de energização do Nordeste começaram a se tornar realidade.

Delmiro Gouveia e Angiquinho

Muito oportuno que se homenageie Delmiro Gouveia em todos os momentos pelo que ele representa para toda a região Nordeste.

Em Paulo Afonso, o primeiro reservatório da Chesf, o menor de todos, mas de uma importância vital para todo o sistema leva o seu nome – Reservatório ou Barragem Delmiro Gouveia – que tem a responsabilidade de receber as águas do Rio São Francisco e com elas movimentar as três primeiras usinas hidrelétricas criadas pela Chesf: Usina Paulo Afonso 1, Usina Paulo Afonso 2 e Usina Paulo Afonso 3. Juntas, elas têm a potência instalada de 1.417 Megawatts. 

O fechamento das últimas comportas dessa Barragem Delmiro Gouveia, em outubro de 1954, foi uma festa para a engenharia brasileira. E o nome Delmiro Gouveia, dado a esse pioneiro reservatório da Chesf em Paulo Afonso, certamente está associado à sua grande luta e ao seu empreendedorismo pioneiro mas foi no primeiro momento e continua sendo um grande reconhecimento e uma grande homenagem a um homem que enxergou bem mais além do seu tempo e suas ideias levaram outros a também enxergarem bem além do seu tempo.

Delmiro Gouveia na varanda de sua casa lendo o jornal do dia e o Museu Regional Delmiro Gouveia

A insanidade humana dos que o assassinaram Delmiro Gouveia enquanto ele lia os jornais do dia, no sossego da varanda do seu chalé, o fez ainda maior e o seu exemplo de vida empreendedora e valorização do ser humano, desde as crianças que precisavam de escola, o fez inesquecível.

10 de outubro, a data de sua morte, serve, de fato, para lembrar a todos que Delmiro Gouveia continua vivo nas ações de criou e nas ideias que se espalharam pelo mundo...

Viva Delmiro Gouveia!


ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

3 comentários


Claudemyr Ribeiro Granja

13/10/2021 - 18:44:18

Tenho lido vários de seus artigos através de nosso amigo comum, Luiz Fernando.Este em particular, sobre Delmiro Golveia, está excelente. Parabéns.


Luiz Fernando Motta Nascimento

10/10/2021 - 09:32:47

Parabéns Professor Galdino pelo Artigo. Para os bons Escritores basta se dar o mote, daí então surge um belo e importante Artigo. Estas histórias precisam ser divulgadas para que as pessoas de um modo geral e os jovens em especial possam se espelharem e se orgulharem destes pioneiros pauloafonsinos.


Marcos Antônio Pereira de Lima

08/10/2021 - 20:06:52

Jornalismo com seriedade, é no Jornal Folha Sertaneja.Parabéns,ao Guerreiro das Letras,Prof.° Antônio Galdino.


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2022 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!