noticias Seja bem vindo ao nosso site Jornal Folha Sertaneja Online!

Professor Galdino

Há 73 anos, em 15 de março de 1948, nascia a Chesf para a redenção do Nordeste

Publicada em 15/03/21 às 14:17h - 2523 visualizações

Antônio Galdino - Atualizada em 16/03/2021 às 12h 15min., com a inclusão de observação importante de Dr. Luiz Fernando Motta Nascimento.


Compartilhe
Compartilhar a noticia Há 73 anos, em 15 de março de 1948, nascia a Chesf para a redenção do Nordeste  Compartilhar a noticia Há 73 anos, em 15 de março de 1948, nascia a Chesf para a redenção do Nordeste  Compartilhar a noticia Há 73 anos, em 15 de março de 1948, nascia a Chesf para a redenção do Nordeste

Link da Notícia:

Há 73 anos, em 15 de março de 1948, nascia a Chesf para a redenção do Nordeste
 (Foto: Arq. do jornal Folha Sertaneja)


A bem da verdade, a Chesf foi gerada mesmo em 3 de outubro de 1945 quando o ministro da Agricultura do presidente Getúlio Vargas, o engenheiro agrônomo Apolônio Jorge de Farias Sales, nordestino de Altinho, no agreste pernambucano, que depois seria presidente da Chesf por mais de uma década, levou para ele assinar os decretos 8.031 e 8.032, criando a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco, com o objetivo de gerar e transmitir energia hidroelétrica saída das forças das águas do rio São Francisco na região, com a sua magnífica Cachoeira de Paulo Afonso, como já fizera, em menor escala, o cearense Delmiro Augusto da Cruz Gouveia ao construir a sua Usina Angiquinho, em 1913.

Por causa de uma destas crises políticas por que tem passado o Brasil ao longo de sua história, os Decretos, assinados por Getúlio Vargas, ficaram dormindo em alguma gaveta do palácio do governo, no Rio de Janeiro, uma vez que, no final daquele mês de outubro, Getúlio Vargas foi deposto, o Brasil ficou sendo governado pelo presidente do STF até o final do ano quando aconteceu a eleição indireta do Presidente General Eurico Gaspar Dutra, que governou o Brasil de 1946 até 1951, quando teve início o período conhecido como Quarta República Brasileira. Esse período iniciou-se com a deposição de Getúlio Vargas (em 29 de outubro de 1945) e se estendeu até 1964, quando ocorreu o Golpe Militar.

Asseguram alguns historiadores que os Decretos de criação da Chesf foram enfim ressuscitados pelo presidente Dutra, inicialmente por razões de estratégia militar. E explicam: a terceira guerra mundial tinha acabado em 1945. O general Eurico Gaspar Dutra era Ministro da Guerra de Getúlio Vargas. Havia em Natal/RN uma base militar dos Estados Unidos. A Cachoeira de Paulo Afonso está situada em uma região de fronteira ou proximidade com quatro estados brasileiros: Bahia, Alagoas, Sergipe e Pernambuco.

Assegura o renomado Engenheiro Luiz Fernando Motta Nascimento, exímio conhecedor da Chesf, de onde foi duas vezes diretor: de Construção e de Suprimento que ao se falar na história da Chesf é importante destacar, "entre os Pioneiros, o Advogado Afrânio de Carvalho que como Chefe de Gabinete do Ministério da Agricultura incluiu no Programa de Trabalho a Chesf como obra prioritária do Governo Dutra. Depois foi Consultor Jurídico e Diretor da Chesf e nosso Patrono no Curso Ginasial do GPA - Ginásio Paulo Afonso".

Pelo sim, pelo não, em Julho de 1947, o já eleito presidente Dutra fez uma visita à Cachoeira de Paulo Afonso e se fez acompanhar de grande comitiva formada por ministros do seu governo e governadores de estados brasileiros, muitos deles de estados do Nordeste.

O fato é que, ao retornar ao Rio de Janeiro, capital do Brasil, começaram as reuniões preparatórias para a atuação efetiva de uma grande empresa estatal para prover de energia hidroelétrica a atrasada e carente região Nordeste.

Em 15 de março de 1948, foi empossada a primeira diretoria da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – Chesf, assim formada: presidente, Engenheiro Antônio José Alves de Souza, que já atuava há anos na Divisão de Águas do Ministério da Agricultura e já estivera na região da Cachoeira de Paulo Afonso fazendo estudos da região, muitos anos antes. Com ele estavam os diretores, os engenheiros Octávio Marcondes Ferraz - Diretor Técnico, Carlos Berenhauser Júnior, Diretor Comercial e Adozindo Magalhães de Oliveira, Diretor Administrativo.

A partir daí começou o grande desafio de fazer valer a ideia de Delmiro Gouveia e levar a “luz de Paulo Afonso” para todo o Nordeste, ou quase todo, porque o Estado do Maranhão foi beneficiado com outra hidrelétrica da região.

A notícia da criação da Chesf se espalhou pelo mundo, pelo Brasil, pelo Nordeste e milhares de sertanejos, que costumeiramente buscavam melhorar a vida em São Paulo, foram-se chegando às terras secas da caatinga, em Forquilha e se arrumando como dava, morando em casebres de pau-a-pique, forrados e cobertos com sacos vazios do cimento da marca Poty, fartamente utilizada nas grandes obras da Chesf.

Assim, com a Chesf, de Forquilha, nasceu a Vila Poty que, depois se transformou no Distrito de Paulo Afonso, ligado ao município de Glória a quem pertencia todo esse território e, em 1958 tornou-se município de Paulo Afonso, permanecendo abandonado por Glória assim como foi desde quando era apenas um insignificante povoado de 6 ou 7 casas espalhadas na aridez da caatinga. Mesmo com a chegada da Chesf e as ruas fervilhando de gente, disse um jornalista em reportagem da Revista Manchete. “Não convém que Vila Poty exista no mapa” (Revista Manchete Nº 233, de outubro de 1956).

Quase dois anos antes dessa reportagem, em 15 de janeiro de 1955, a Chesf já havia inaugurado festivamente a sua Usina de Paulo Afonso e a energia hidrelétrica já chegara a Salvador e a Recife e já se espalhava, nas redes das linhas de transmissão, por outros lugares do Nordeste.

E, no mesmo mês desta reportagem da Revista Manchete, no dia 10 de outubro de 1956, a Câmara Municipal de Glória/BA, por uma iniciativa e luta do vereador Abel Barbosa e Silva, votou pela emancipação política de Paulo Afonso, o que só viria a acontecer pra valer em 28 de julho de 1958, após a aprovação da emancipação pela Assembleia Legislativa da Bahia e a sanção da Lei Estadual 1.012, pelo governador Antônio Balbino de Carvalho.

Luiz Gonzaga e Zé Dantas, já diziam em 1955 que a partir da energia saída inicialmente e por muitos anos apenas das usinas de Paulo Afonso, “O Brasil, vai, vai, vai...” E o Brasil, o Nordeste, melhorou pelo trabalho intenso do “nosso cassaco, caboclo bom, verdadeiro”, como também disse Zé Dantas.

A história mostra, nesses 73 anos de caminhada da Chesf, o quanto ela foi importante para o desenvolvimento de toda a região Nordeste e, mais recentemente, com a interligação dos sistemas elétricos do Brasil, como diz a canção Paulo Afonso, de Gordurinha, a energia da Chesf “ilumina o Rio, São Paulo e toda nação.”


Salvador / BA.

Com a chegada da Chesf a Paulo Afonso, onde estão cinco das suas usinas hidrelétricas (uma em território alagoano), muita coisa mudou na região. O inexpressivo povoado de Forquilha hoje é uma cidade respeitada na região com uma população de mais de 120 mil habitantes, uma das maiores do Estado da Bahia. Outros muitos municípios, como Paulo Afonso, nasceram a partir da presença da Chesf nesta região. E o Nordeste coitadinho, miserável, de antes da Chesf, cujos índices de pobreza eram comparados aos países mais pobres da África, “oxe, hoje é uma belezura só, seu moço”, como diz o sertanejo orgulhoso de ser nordestino.

Ao longo destes 73 anos, obviamente que muita coisa mudou. Houve um presidente da Chesf, o ex-ministro Antônio de Oliveira Brito, que dizia, de peito aberto: “A Chesf não tem dono, nem senhor”. Isso foi mudando com o tempo. Já houve um tempo em que as diretorias da Chesf eram divididas entre vários partidos políticos, muitos donos.

Hoje, parece existir um total desprezo pelas raízes pioneiras da Chesf nesta região. Há anos que os governos federais, a quem pertence a Chesf, vêm esvaziando a força da Chesf na região. Com a decisão, ainda na gestão do Presidente Collor de Melo, alagoano, nordestino, da Chesf cuidar apenas da “geração, distribuição e comercialização da energia elétrica”, todo o chamado Acampamento da Chesf passou para a gestão da Prefeitura, inclusive os belos lagos, hoje quase todos poluídos e abandonados. Foram fechados o zoológico, todas as muitas escolas da Chesf dentre elas o Ginásio Paulo Afonso que se fez COLEPA e, por fim, a hidrelétrica se desfez do Hospital Nair Alves de Souza.

Os belos espaços da área da Chesf, que se transformaram em importantes atrativos turísticos, uma receita importante para o município, não mais são abertos aos visitantes como o Teleférico, o Modelo Reduzido de Paulo Afonso, os muitos mirantes, como o da Cachoeira de Paulo Afonso. A própria Cachoeira, que motivou o Imperador D. Pedro II a se deslocar do Rio de Janeiro para visitá-la, em 1859, como disse o historiador, chesfiano de saudosa memória, José Carlos Feitosa, o Carlinhos da Sala dos Visitantes, “a Cachoeira de Paulo Afonso é apenas um retrato na parede”.

Todas estas ações mais recentes da diretoria da Chesf referem-se à gestão da empresa, das prefeituras de Paulo Afonso e região, do governo federal desde Collor de Mello e Fernando Henrique...Tudo isso, no entanto, mesmo triste e preocupante, não tira o mérito da importância da Chesf para o desenvolvimento do Nordeste que - sempre repetirei isso - tem a sua história contada em dois grandes capítulos: Nordeste A/C (antes da Chesf) e Nordeste D/C (depois da Chesf).

Assim, embora triste com a mudança  do cenário que acompanho deste 1954 e se mostra hoje tão diferente, parabéns à Chesf, a maior empresa nordestina, a redenção do Nordeste, pelo aniversário de 73 anos nesse 15 de março de 2021.


Usina Hidrelétrica de Xingó



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

3 comentários


João Luciano Ferreira Paz

25/03/2021 - 13:47:07

Parabéns!


Luiz Fernando Motta Nascimento

16/03/2021 - 07:51:08

Parabéns Professor e Historiador Antônio Galdino pelo seu importante artigo sobre os 73 anos da Nossa Querida Chesf. Permita-me incluir na relação dos Pioneiros o Advogado Afrânio de Carvalho que como Chefe de Gabinete do Ministério da Agricultura incluiu no Programa de Trabalho a Chesf como obra prioritária do Governo Dutra. Depois foi Consultor Jurídico e Diretor da Chesf e nosso Patrono no Curso Ginasial do GPA - Ginásio Paulo Afonso.


Socorro Mendonça

15/03/2021 - 16:41:58

Parabéns presidente, por sintetizar nossa história e valorizar nossa luta, nossas vitórias e hoje, em parte nosso desencanto.Vi desde 1951, a CHESF crescer, sou filha de um dos " tatus"! Lamento, hoje vê quanta coisa mudou. Sinto saudades da CHESF que o progresso levou ...Mas, parabéns CHESF" você ilumina e traz progresso ".


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2024 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12
Converse conosco pelo Whatsapp!