Domingo, 21 de Abril de 2019
Especiais

A catedral de Notre Dame em Paris está sendo devorada por um incêndio

É o monumento mais visitado do mundo.

Publicada em 15/04/19 às 19:09h - 53 visualizações

por Francisco Nery Júnior


Compartilhe
   

Link da Notícia:

 (Foto: Benoit Tessier AFP)

NOTA DA REDAÇÃO DO FOLHA SERTANEJA:

 

O colunista da Folha Sertaneja, professor Francisco Nery Júnior esteve lá há cerca de 3 anos e escreveu uma crônica a que chamou de Os sinos de Notre Dame (que publicamos a seguir).

 

Sobre esse incêndio de proporções gigantescas, o Professor Nery, fluente em inglês e francês está acompanhando esse triste acontecimento e comentou com a Redação do Folha Sertaneja:

“A polícia da França está tratando o incêndio como acidental. O fogo, neste momento, já tomou conta de quase toda a estrutura da catedral.

 

Lá foram coroados imperadores e reis e realizados os serviços fúnebres de muitos dos presidentes recentes da França. Quatorze milhões de turistas visitam Notre Dame todos os anos. Milhares de turistas que estavam fazendo excursões pelo rio Sena agora contemplam sem palavras e sem reação a grande tragédia que independe de considerações de crença ou de religião. A polícia de Paris afirma não haver vítimas até o momento.

A construção gótica tem uma longa história e já passou por inúmeras reformas.”

A seguir o texto do Professor Francisco Nery que nasceu depois que seus olhos se depararam com este monumento. E esta foto dele nesse cenário, há 3 anos.

Os sinos de Notre Dame

Dezoito e trinta. À beira da praça, sentado em uma cadeira de bar,a noite cinzenta de Paris se aproximando, tocam os sinos de Notre Dame. Aí, a essa altura, todos os percalços estão pagos; aí jazem todos os aperreios do deslocamento.

Ah, lá, lá em cima da torre, o Quasímodo se esmera para o oferecimento do concerto com que tanto sonhamos. Ele se esmera ao total das suas forças para não decepcionar o imaginário de Victor Hugo. Toca e toca. E nos deliciamos todos caminho de volta ao passado glorioso da França - e da humanidade. Ali estavam as descrições de Hugo, muitas semeadas pelos pensadores privilegiados de antemão, resultado dos executores pragmáticos das ideias, cujas cabeças de alguns haviam rolado guilhotina abaixo.


De volta, toda a história francesa revivida ao vivo nos lugares sagrados de Paris. De volta do sonho sonhado por alguns, a França moderna do respeito máximo ao cidadão; respeito sem pieguice e com o pé no chão. Os franceses - todos os europeus - jogam a política do respeito mútuo cidadão com o pé no chão. Parecem saber até onde ir, sabendo que nada se sustenta em sonhos de quimeras polpudos em demagogia nada pragmática.
Lugares venerados onde morreram executados culpados e inocentes, sábios e tolos; lugares que não deixaram morrer a glória de antão, pisos de lutas e guerras, chão quase santo por onde passaram Hitler e Charles de Gaulle, o mal e o bem, aparece, então, o Sena. Não importa que não seja páreo para o São Francisco. Pelo Sena, barcaça a deslizar os sonhos chocados nos livros de história da Bahia por uma alma adolescente crente no Brasil, o coração da França. De lá, a Torre Eiffel, o Museu do Louvre e o Arco do Triunfo. Ah, cruzando o Sena, de lado a lado, não só uma ponte: só na área de Paris, 35 delas a atestar de viva presença as peripécias passadas de Jean Valjean nos esgotos e barrancos do rio. Os franceses não tiveram de travar a inglória e maçante luta por uma ponte a mais sobre o Sena. Eles têm dezenas delas. Foram erguidas sem o calvário desgastante das súplicas pelo retorno de um benefício já pago com pesados impostos.

São miríades de turistas. O dinheiro volta agora nos modernos trens e aviões. Eles sabem que vale a pena investir. As bolsas-família dos franceses - e de todos os europeus - são os investimentos. Deslocamento urbano na Europa não é um sonho.

Londres e Amsterdam a seguir, de trem por baixo do mar, sonhos por eles já sonhados que teremos de sonhar os nossos se assim nos for concedido; se houver lisura, se nos deixarem, se, no leme, um timoneiro de mãos fortes e determinadas - selecionado por nós!

Em Paulo Afonso, para as almas boas, às vezes simplórias de todos nós, as esperanças. Não somos piores e chegaremos lá. Eles chegaram com a nossa participação, eles sabem disto. Chegaremos sim, talvez daqui a duas, três gerações. O Clemenceau do passado deve ter estado equivocado. Somos o país do futuro. Chegaremos lá. Deixarão e deixaremos, "Deixaremos", a chave, a condição.

Em nós de Paulo Afonso, para encerrar com chave de esperança, bem presente a responsabilidade de cada um de nós.

Francisco Nery Júnior




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário






Nosso Whatsapp

 (75)99234-1740

Copyright (c) 2019 - Jornal Folha Sertaneja Online - Até aqui nos ajudou o Senhor. 1 Samuel 7:12