• Tamanho da letra:
  • -A
  • +A

Início » Especiais

26.07.2015 | 11:51

 

Cinzas de Bret Cerqueira, transformam-se em energia nas usinas de Paulo Afonso

Ele faleceu em 10/09/2013. Suas cinzas foram jogadas nos adutores das Usinas PA I e PA II em 24 de Julho de 2015 quando faria 96 anos.

Antônio Galdino

Pioneiros chesfianos - um brevíssima história

Foto: Acervo Chesf
Operários chesfianos abrindo a rocha - ano de 1950

Operários chesfianos abrindo a rocha - ano de 1950

 A Chesf teve, ao longo de sua vida, muitos pioneiros apaixonados por esta empresa que mudou a vida do Nordeste brasileiro que, com a sua chegada à região de Paulo Afonso e o Nordeste, com funcionamento da sua primeira usina em Paulo Afonso, em Dezembro de 1954, passou a contar a sua história em dois grandes capítulos: o de antes e de depois da Chesf.

A primeira usina foi inaugurada oficialmente em 15 de Janeiro de 1955, pelo presidente João Café Filho.

Acervo Memorial Chesf Paulo Afonso
Acampamento Chesf em Paulo Afonso

Acampamento Chesf em Paulo Afonso

Desde quando a Chesf chegou a Paulo Afonso, em 1948 (ela foi criada em 15 de Março de 1948, no Rio de Janeiro), milhares de pessoas, a grande maioria sertanejos,  chegaram e se dedicaram, com especial determinação, para a construção da Usina, do reservatório Delmiro Gouveia do acampamento e ali, as Escolas Reunidas, o Ginásio de Paulo Afonso, o Hospital, os clubes sociais, organizar o seu enorme Almoxarifado com quase 100 mil itens e fazer a comunicação fluir, no canteiros de obras e pelo Brasil a fora. Foi criada uma verdadeira cidade com infraestrutura moderna ao lado da povoação que foi se formando no seu entorno, a Forquilha, Vila Poti, Distrito e cidade de Paulo Afonso, no Estado da Bahia e a Vila Zebu, no Estado de Alagoas.

Acervo Memorial Chesf Paulo Afonso
Guaritas principais da Chesf (atual Praça das Mangueiras) - Paulo Afonso-BA

Guaritas principais da Chesf (atual Praça das Mangueiras) - Paulo Afonso-BA

 Nesse mister milhares de homens e mulheres trabalharam intensamente. Centenas deles se destacaram pelo amor à obra e ao país. Alguns ficaram em maior evidência porque o seu jeito de trabalhar, a sua sabedoria em encontrar soluções para problemas difíceis no meio da caatinga, pelo que deixaram como legado, marcas indeléveis de sua passagem por aqui, como Apolônio Sales, Antônio José Alves de Souza, Otávio Marcondes Ferraz e outros muitos.

Acervo Memorial Chesf Paulo Afonso
Marcondes Ferraz e chesfianos em frente a Usina Paulo Afonso I

Marcondes Ferraz e chesfianos em frente a Usina Paulo Afonso I

Estes e outros pioneiros estão sendo homenageados pela Gerência Regional de Paulo Afonso, com o aval da Diretoria da Chesf e dão seus nomes aos prédios, galerias e avenidas das instalações desta GRP.

Dos estiveram conosco até mais recentemente, quase chegando aos 100 anos de vida, dois destes valorosos homens ainda hoje merecem homenagens como é o caso de Euclides Ribeiro, falecido há um mês depois de viver mais de 95 anos.

A saga de Bret Cerqueira Lima

Acervo Chesf
Bret Cerqueira Lima

Bret Cerqueira Lima

 Outro, que teve sua presença marcante em vários momentos dos primeiros tempos da empresa, onde colocou a sua técnica de engenheiro e o seu talento foi Bret Cerqueira Lima.

Ele fotografou e filmou os eventos mais importantes dos primeiros anos da história da Chesf em Paulo Afonso. Foi radioamador, fundou o primeiro jornal de Paulo Afonso chamado O Mandacaru. Compôs a Canção do Operário da Chesf, foi exímio professor de Matemática do Ginásio Paulo Afonso e desafiou o representante do MEC para, ao invés de aplicar um com ele, professor, que fizesse com qualquer um dos seus alunos, todos mestres na sua disciplina. Ele criou o relógio do sol, em Xingó e ajudou a construir as Usinas Paulo Afonso I e Paulo Afonso II.

Foto: Antônio Galdino
Vereador Antônio Alexandre entrega título de Cidadão de Paulo Afonso a Bret Cerqueira

Vereador Antônio Alexandre entrega título de Cidadão de Paulo Afonso a Bret Cerqueira

Por toda essa atividade desenvolvida em Paulo Afonso, a Câmara Municipal concedeu, por unanimidade, a Bret Cerqueira Lima, o título de Cidadão de Paulo Afonso, que lhe foi entregue em solenidade realizada no dia 16 de abril de 2002.
O seu amor pela Chesf era tão intenso que, convidado para participar da solenidade comemorativa dos 50 anos de inauguração da Usina Paulo Afonso I, em 2005, fez o seguinte discurso (gravado em vídeo por Antônio Galdino da Silva):

Foto: Júnior Barros
Bret Cerqueira com Prof. Galdino em gravação de vídeo

Bret Cerqueira com Prof. Galdino em gravação de vídeo

  "Quando eu fizer a minha última viagem de ida, sem volta, eu não quero ser enterrado, ..., eu quero ser cremado! E que minhas cinzas sejam jogadas nos túneis adutores da primeira usina e da segunda usina que é para estas cinzas ao se transformarem em energia hidráulica, em energia mecânica e também em energia elétrica, seja este o meu último trabalho na Chesf e pelo Nordeste".

Dr. Bret, como era conhecido, faleceu em Salvador, no dia 10 de Setembro de 2013. Mas o seu desejo, gravado em vídeo e deixado em documento, fui cumprido com todas as honras que fez por merecer.

No dia 24 de Julho de 2015, no dia do seu aniversário de 96 anos, uma solenidade tocante, muito emotiva, organizada pela Gerência Regional de Operação de Paulo Afonso cumpriu o desejo do sempre chesfiano Bret Cerqueira Lima.

Foto: Antônio Galdino
Engenheiro Flávio Motta conduziu a cerimônia de homenagem a Bret Cerqueira

Engenheiro Flávio Motta conduziu a cerimônia de homenagem a Bret Cerqueira

 No hall da entrada da Usina Paulo Afonso I, em frente à Praça dos Pioneiros, onde a GRP, na gerência do engenheiro Flávio Athayde Motta, seu atual gestor, criou um memorial em homenagem aos primeiros trabalhadores da Chesf, foram exibidos vídeos e documentários, executada a Canção do Operário e muitas mensagens exaltando a importância de sua passagem pela vida da Chesf.

Foto: Antônio Galdino
Bret Cerqueira com Engenheiro Flávio Motta

Bret Cerqueira com Engenheiro Flávio Motta

O próprio Flávio Motta, visivelmente emocionado com muitos dos presentes, conduziu esta solenidade onde estiveram presentes o Administrador Regional da Chesf, Augusto César, representando a Administração Regional de Paulo Afonso, gerentes e funcionários da GRP diretores da Chesf, sobrinhos do Dr. Bret Cerqueira e suas famílias.

Foto: Antônio Galdino
Familiares e diretores da Chesf particpam da homenagem a Bret Cerqueira em Paulo Afonso

Familiares e diretores da Chesf particpam da homenagem a Bret Cerqueira em Paulo Afonso

 De Recife vieram o atual Diretor de Operação da Chesf, José Ailton de Lima, e o ex-diretor de Operação, Mozart Bandeira, que agora assume a Presidência da Fachesf.

De Salvador vieram os sobrinhos de Bret, todos pauloafonsinos, filhos de Dr. Muccini, outro pioneiro de Paulo Afonso, cunhado de Bret. Haroldo, João Gustavo, José Augusto e Paulo Henrique, todos de sobrenome Muccini representando toda a família, inclusive o irmão Antônio Geraldo que não pode vir.

 De Salvador, o ex-diretor da Chesf, Luiz Fernando Motta Nascimento, enviou comovente mensagem por telefone, transmitida para todos os presentes. Foi o que também Nancy Coelho que em várias oportunidades, quando na Assessoria da Administração Regional de Paulo Afonso e na gerência do Hospital Nair Alves de Souza, esteve com o Dr. Bret quando ele esteve mais recentemente em Paulo Afonso, em várias oportunidades, gravando um vídeos, através do Professor Antônio Galdino e de outros profissionais de Paulo Afonso, onde contou muitas histórias de sua passagem pela Chesf nesta região.

Foto: Antônio Galdino
Chesfianos Mozart Bandeira, Flávio Motta e Carlos Roberto

Chesfianos Mozart Bandeira, Flávio Motta e Carlos Roberto

Foto: Antônio Galdino
Familiares e chesfianos jogam as cinzas de Bret Cerqueira nas águas das usinas de Paulo Afonso

Familiares e chesfianos jogam as cinzas de Bret Cerqueira nas águas das usinas de Paulo Afonso

 Depois, em um momento ainda mais tocante, todos seguiram o alto da barragem das Usinas Paulo Afonso I e Paulo Afonso II e ali, nos “túneis adutores” destas usinas suas cinzas foram jogadas nas águas para se transformarem, como era o seu desejo, em “energia hidráulica, em energia mecânica e também em energia elétrica” como seu “último trabalho na Chesf e pelo Nordeste”.

Enviar por e-mail

Insira até cinco e-mails, separados por vírgula





Deixe um comentário






O comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.